quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Mensagem de esperança


Eu tinha costume de fazer uma "re-introspectiva" aqui no blog. Mas por infinitas razões, e uma delas é uma mudança, eu resolvi mudar. Do que adianta ficar relembrando do que já passou?
De tanto ficar olhando para trás eu quase fiquei por lá.
Não! Agora chega! Tenho pedido a Deus forças para eu olhar apenas para as coisas do alto.
Lendo mas cartas de Paulo essa manhã, eu escrevi uma mensagem linda para meus contatos no facebook. Vou aproveitar e dividir essa experiência com vocês.

2 Timóteo 3: 10 e 16.
“Mas você tem seguido os meus ensinamentos, a minha maneira de agir e o propósito que tenho na minha vida. E tem seguido também a minha fé, a minha paciência, o meu amor, a minha perseverança. (...) Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver.” (Carta de Paulo a Timóteo).
Me inspiro muito no apóstolo Paulo porque ele teve uma conversão incrível. Era intelectual, cheio de autoridade e perseguidor da igreja, e quando ele finalmente teve um encontro com Cristo, sua vida mudou totalmente. Como todo servo de Deus, ele sofreu perseguições, foi preso, mas nunca abandonou a fé porque Deus nunca deixou de estar com ele.
Lembre-se que Deus não te tira às coisas. Ele te livra delas. Somos tão pequenos diante de tamanha sabedoria que pensamos ter as rédeas sobre todas as coisas e nos esquecemos de que o Senhor quem arquitetou tudo e todos. E quando temos essa consciência e passamos a ouvir os planos que Ele tem para nossas vidas tudo fica mais leve. Tudo faz sentido.
Quero desejar a todos os amigos e irmãos um ano de descobertas. E para aqueles que já compartilham do pedacinho do céu aqui na terra, peço a Deus que continue nos abençoando com o Espírito Santo para que não enfraqueçamos a fé. O ano de 2016 será um ano de muitas batalhas, muitas mesmo, mas o nosso Senhor lutará cada uma delas ao nosso lado, como um verdadeiro líder amoroso e valente.
Louvado seja Deus!
Que a paz do Senhor esteja com você e toda sua família. Amém!

Gabriella Gilmore

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Feito uma pateta



"Cos this life is a farce
I can't breathe through this mask
Like a fool
So breathe on, little sister, breathe on
Ohh so breathe on, little sister, like a fool"

Nem preciso traduzir.
Boa noite.

sábado, 5 de dezembro de 2015

segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Sonho lúcido


Oi oi oi oi Introspectors!
Vira e mexe meus momentos nostálgicos aparecem.
Estava aqui curtindo Kidneythieves de novo e resolvi republicar um texto que postei recentemente no Recanto das Letras.
Quem está assistindo Jessica Jones no netflix?
Eu ando acompanhando os episódios. Ainda não tenho uma opinião formada sobre a trama até porque se eu for falar agora eu detonaria a personagem e a história haahahaha Preciso esperar mais um pouco para ver se a história vira. Mas confesso que não foi uma estreia brilhante.
Veremos!

A música de hoje vai para a Fefê.
================================================================
No mundo dos vivos você não passa de uma boneca de pano.
Na fúria, é retalhada, pisoteada e jogada de lado.
Aqueles olhos fundos na verdade foram arrancados à unha.
O globo ocular ainda está naquele pote com líquido amniótico.
Insisto em deixá-lo encima do mogno perto da porta para lembrar de você toda vez que eu voltar àquela casa. E os meus fantasmas se divertem.
"Venha Annabelle! Venha para casa".
Sua cadeira de balanço te espera.
Está esperando o que? O tapete vermelho e os anúncios para sua chegada?
"Oh! Saudosa rainha dos olhos negros!"
Quem pensa que é?
O seu medo alimentou o meu monstro.
E ele está aguardando o momento certo para se libertar.
Seus fantasmas agora estão dançando. Se preparando para encontrar com os meus. Diferente de nós eles se dão muito bem no mundo dos mortos.
Acenderei uma vela e deixarei na janela do quarto.
Siga aquela chama.
Mas não se esqueça de manter o ritmo rápido. Pois ela pode apagar.

www.twitter.com/gabriellaclima

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Ashes and wine




Essa sou eu, de saco cheio...

E é exatamente por dar ouvidos a fantasmas que ela se encontra assim... ashes and wine.

Sem muito hoje. Boa noite.

sexta-feira, 13 de novembro de 2015

Never let me go




Complica quando você se desarma constantemente por causa de palavras doces.
Palavras estas que você nunca será capaz de codificar.
Elogios você compra em lojas de R$ 1,99.
Dúvidas você planta no seu quintal ecológico.
Da verdade as pessoas preferem fugir.
Sabe aquele nó que dá dentro da cabeça quando tenta ler todos os dados que você juntou durante a relação? Sabe todas aquelas palavras que você desmanchou com medo de serem mal interpretadas?
Pois é. Era exatamente com elas que eu formei toda essa vontade que explode dentro de mim.
Mas eu jurei nunca mais te ligar, portanto essas constelações que crescem dentro de mim terão de encontrar outro caminho para percorrer, porque tenho percebido que sutilmente você se monta da forma que juga ser o certo... sendo assim, nosso céu nunca será completo.

domingo, 8 de novembro de 2015

Back to black - Amy Winehouse cover



Adorei cantar essa música da Amy.
Estou ansiosa pra sair logo o filme dela.
Ahh, estou usando a camiseta do meu sobrinho Romero ahahahaha  titia, obrigada. Te amooo!

Ontem foi a estreia do  Virada Cultural em GV, 1ª edição.
Eu adorei, mas deixo uma observação para os próximos: NÃO PODE HAVER FURO DE PALCO PARA PALCO. Houve momentos de hiatos entre uma banda e outra. Vácuo horrível. Sei que houve um contratempo lá com algum amplificador, mas para o ano que vem a única coisa que precisa ser alinhada direito é esse detalhe. Acabando uma banda, o show precisa continuar em seguida no outro palco. No mais, foi ótimo!!!
Parabéns a prefeitura, Coelho Diniz e demais patrocinadores pelo apoio.
Eu conheci a Virada Cultural em Sampa e simplesmente amei.
Vida longa a este evento aqui nas Gerais!!!
Beijosss!!

sábado, 7 de novembro de 2015

Annastacia - I won't give up



"And when you're needing your space
To do some navigating
I'll be here patiently waiting
To see what you find".          
- I won't give up - Jason Mraz



A sua fragilidade desmonta meu ser
A sua inocência me faz renascer
É como se o meu mundo de concreto
Se desmanchasse com seu respirar

Você questiona o meu cuidado
Duvida que sou capaz de te amar
Mas eu trocaria todas minhas moedas
Para de volta você também me adorar

Cuidado com isso! Com aquilo!
Meu lado lobo te protegendo
Me escuta! Eu não minto
Te dar toda a proteção é o que necessito

Annastacia, repare naqueles sedentos
Que com boas vindas te iludem
Com sílabas baratas te envolvem
Na esperança de que você os saúdem

Por ti eu me invento, me recrio
Renego minha riqueza, meus brinquedinhos
Para que a te olhar eu possa te a honra
E um dia felizmente te encher de carinhos!

Estreando hoje em - Meu Eu Christian Grey.

Bom final de semana Introspectors!!

quarta-feira, 4 de novembro de 2015

Ela tenta



A música de hoje é para você, Hoffmann.

por Gabriella Gilmore

Eu tento.
Eu tento mesmo.
Tento não pensar.
Tento deixar para lá.

Mando ela ir pra China algumas vezes.
Mas há momentos que tudo volta a me assombrar.
Parece de propósito.
Para me fazer lembrar.

Para me torturar.
Eu não quero isso para mim.
Quem está de fora acha que eu invoco.
Quem gosta de invocar o sofrimento para si?
Eu não.
Mas muito das vezes eu não consigo evitar.

sábado, 31 de outubro de 2015

Anna-Belle


por Gabriella Gilmore


Ela é daquele tipo de boneca cheia de remendos
Cada dia mais parecida com voodoo
Os dias passam em câmera lenta
Enquanto o vento soa um “yahoo”

A costura arrebenta sempre no mesmo lugar
Arrebenta, remenda, arrebenta, remenda
Costura encima de costura
Não há pano que aguenta

Por fora ela tem uma aparência monstruosa
Por dentro existe uma maciez
Que só é sentida
Para quem reconhece sua própria pequenez

Os anos se passaram para a pobre Annabelle
Que passou de mão em mão
Sua alma não mais pertencia aquele corpo
Que hora sentia frio sim, mas em outras vezes não

sexta-feira, 30 de outubro de 2015

Precisamos falar sobre Kevin


Resenha por Gabriella Gilmore

O filme conta a história de Eva, uma mulher de sucesso profissional, ativa, alegre e que se casa com um cara muito legal. Porém, com uma gravidez não desejada e um tanto assustadora, nasce Kevin, o primeiro filho do casal.
A história conta em forma de flashbacks, sobre um massacre escolar praticado pelo jovem de 16 anos, mas o foco do tema é saber o que realmente levou o rapaz a praticar tamanha violência. Com lembranças da mãe do garoto sobre a gestação e criação do bebe, vemos ali a importância da decisão dos pais quanto à decisão de ter um filho.
Desde o início o telespectador percebe o quão despreparada é a personagem. Uma mulher talentosa em seu trabalho, em amar seu parceiro, porém sem o dom da maternidade. Logo na gestação o feto já sente a rejeição, e nos primeiros anos de Kevin, o garoto sente a antipatia da mãe, e nisso é gerado nele alguns “atrasos” na fala e até mesmo o fato de largar as fraudas e poder defecar sozinho. Isso mostra claramente uma dependência proposital da criança, até então muito astuta, que usa esse artifício para escravizar a mãe e puni-la indiretamente. Com isso, é gerado uma repulsa da mãe sobre a rejeição do filho, e no mesmo é afirmado a falta de empatia pela mãe. 
Kevin, aparentemente gosta do pai, mas na verdade é só uma forma de fazer ciúmes na mãe, pois na verdade a criança não soube cultivar o amor dentro dela por falta de referencias amorosas dentro de casa, mesmo o pai sendo um tanto dedicado, mas era ausente por conta do trabalho corrido.
A situação ainda piora quando Kevin descobre que irá ganhar uma irmã, perdendo assim o seu posto de autoridade e atenção dentro de casa.
Por negligência da família em perceber os sinais e procurar ajuda psicológica, um monstro foi sendo cativado dentro de casa, e quando menos se espera, o ódio alimentado dentro daquele jovem é extravasado como forma de “prêmio” para sua mãe, matando assim alguns colegas, funcionários da escola, e seu pai e irmã. Kevin e sua mente doentia quiseram mais uma vez punir sua mãe pela falta de amor verdadeiro, e deixa claro para o telespectador o quão sério é a maternidade, pois na maioria das vezes um assassino não nasce assassino, ele se torna um. 

sexta-feira, 23 de outubro de 2015

A idade que ela escondia por amor


Por Gabriella Gilmore

Lembro-me como se fosse hoje...
Quando eu bati o carro em janeiro de 1931 e cai naquele lago, o raio daquela tempestade me atingiu.
Alguns minutos antes tudo estava acabado para mim. A água congelada abaixou muito a minha temperatura e meu coração já não batia mais.
Receber toda aquela carga vinda das nuvens foi um milagre precedido por uma maldição.
No decorrer dos anos eu percebi que não envelheceria como meus amigos e sabia que minha existência nunca mais seria a mesma.
Comecei a fugir da vida porque se eu fosse viver como uma pessoa normal eu ia acabar decepcionando alguém que eu possivelmente poderia amar.
Mas quem controla as coisas do coração?
Porém eu fugia de cada relacionamento. E todos aqueles que passaram na minha história ficaram com sequelas que até então para mim eram inofensivas. Porém a verdade é que somos responsáveis por aqueles que conquistamos e qualquer estrago que possa acontecer tomamos a culpa para nós como mártir.
A cada década eu era conquistada por mais uma apaixonante pessoa algumas dezenas mais jovem que eu. Maldita empatia. Como contar o seu maior segredo?
Com o tempo eu fui percebendo que não adiantava mais fugir porque a minha vida seria longa, e muito mais longa se eu não começasse finalmente a viver. As histórias que eu achava se repetir, os romances, aqueles amores, eram basicamente continuação dos que eu havia interrompido. Foi quando finalmente decidi encarar a realidade e contar para Ellis que eu estaria ao lado dele até ele envelhecer, mas que ele nunca teria essa oportunidade porque meu gene havia recebido uma dose extra de vida há 80 anos.
- Diga-me algo que eu possa guardar para sempre e nunca esquecer. Perguntei.
- Minha vida não teria mais graça sem ter você ao meu lado. Ele respondeu.
Então eu abri meu coração danificado por raios e ele nem se quer se importou com o meu defeito, contanto que eu estivesse sempre com ele.

sábado, 17 de outubro de 2015

Homenagem a Marih Baldin



Para quem interessar em saber do início leia tudo ou então assista apenas o vídeo.

Hoje é dia 17 de outubro de 2015. Uma data muito especial para uma grande amiga, para uma grande família.
Hoje é o casamento da minha filhota baby Marih.
Esses dias postei algo referente aos contatos que a gente faz pela rede, e que muitos deles geram bons frutos. Na verdade isso depende apenas da empatia de ambos os lados.
Em 2006, ainda na época do orkut, conheci a Marih através da Cris Cavalheiros (também amiga de net). E através delas cresceu uma amizade muito divertida e sincera. Criamos laços muito parecido com os de família (explicando porque eu chamo a Marih de baby e de filha), porque naquela época ela devia estar com seus 15 anos!? E a sua linguagem na web era muito diferente e legal, foi quando aprendi muito a me comunicar de forma mais clara e engraçada com pessoas que compartilhavam dos mesmos gostos. Através delas, o link só foi aumentando, aumentando. Que barato!
Em 2008 tive a oportunidade de conhecer ao vivo minha primeiro webfriend, Waleska Zibetti. Isso foi em Vila Velha - ES. (Claro que não estou fazendo apologia aos relacionamentos virtuais até porque de casos ruins o mundo está cheio). Fique sempre atento na questão da empatia. Muito atento.
Em 2009, finalmente fui a passeio em Campinas visitar a Marih, que até então naquela época eu já estava amiga da irmã Carol e da Margô (mãe), e foram dias maravilhosos que inclusive me fez voltar um mês depois para morar com elas.
Foi a primeira vez que saí da minha cidade pequena para me aventurar na cidade grande em busca de oportunidades.  O propósito desse lenga lenga todo na verdade é essa eterna gratidão que tenho por esta família que me acolheu sem pensar nas possibilidades de nada darem certo para mim lá. Me senti filha e irmã mais velha das garotas. Me senti muito amada e acolhida, explicando assim a minha admiração e respeito por cada uma delas.
Depois disso só veio mais alegrias saindo da telinha.. Hospedei Naty Berg no meu aniversário também em 2009, conheci a Letícia Lee e Viviane Bittencourt em Floripa, e a lista não para. Porque a vida só acontece uma vez, e saber que quando as pessoas estão nos lendo, existem pessoas com suas histórias próprias, e eu faço questão de colecionar cada uma delas para mim.
O post de hoje é especial para minha família Baldin, e agora eu espero vocês aqui na minha casa.
Que Deus continue guardando a vida de vocês e prosperando sua família com toda a sorte de bençãos. Eu fiz o que pude para estar ai, mas Deus sabe de todas as coisas, e haverá outras oportunidades para nos vermos, até mesmo no casamento da Lulu, quem sabe né? haahahah
Gente, um beijo enorme e por favor me mandem fotos e videos ao vivo do casório! Meu coração está ai com vocês.
Beijooooosssss!!!!









Na teia de mentiras



“De todas as armas que levamos para a batalha, não há nenhuma tão poderosa quanto a mente humana. É nela que fica os instintos e o treinamento, e nos permite distinguir os amigos dos inimigos, amor do ódio. E se essa arma está ferida, você fica desarmada. A mente é muito mais perigosa quando está danificada e não há garantia de que ela não escolherá a si própria como a próxima vítima.” (Revenge)

Cheguei em casa, tirei a minha bota de montaria, fui até a cozinha com os pés descalço sentindo o frescor do piso do chão, abri a geladeira para me refrescar com alguma bebida gelada.
Liguei o ventilador da sala em minha direção, sentei no sofá e comecei a repassar toda a conversa que tivemos uma hora antes deu chegar em casa.
Palavras como “cuidado”, “você não pode”, “você está em negação”, “você deveria”... buzinavam dentro da minha mente que fritava ainda mais com o calor infernal da cidade.
Eu precisava de mais tempo para decidir, mas a verdade é que não há mais tempo. Eu estou no meu deadline. E em menos de 6 horas o dia 16 termina.
“Sua mente está vulnerável”. Foi quando a frase de Emily Thorne me resgatou para a realidade. Para a minha atual realidade.
A verdade é que o sistema me pegou. E o pior: eu deixei ser pega.
Os momentos em que estamos vivendo faz parte de um grande quebra cabeça. Na verdade o quebra cabeça é dividido em vários núcleos, como em novelas, e uma vez que você monta as peças, você descobre o enredo e tudo perde a graça. Mas ainda há quem queira continuar assistindo. Eu quis continuar assistindo, mesmo sabendo na m3rd4 em que eu ia me enfiar.
Quando minha bebida gelada terminou, corri para o banheiro para tomar um revigorante banho.
Assisti um filme horrível para espairecer que afinal me ajudou a organizar o meu pensamento sobre a teia de mentiras em que eu vinha sendo enfiada e ainda me sentindo culpada.
Culpada de que? De dizer a verdade? Qual é o problema que as pessoas tem em lidar com a porcaria da verdade? Se você mente, elas te recriminam, mas se você fala a verdade elas se afastam. Fuck it!!  WTF!
Não posso mais me sentir culpada pela b05t4 de vida que você leva.
Não posso mais ser o seu brinquedinho.
Não posso mais me fazer de vítima para ganhar sua atenção em forma de migalhas.
Não posso mais me sentir acuada pelas coisas que você esconde.
Não posso mais aceitar que você me visite na noite só porque você está “bored”.
Não posso mais ser o seu alvo, e muito menos o motivo para suas piadinhas na mesa de bar.

Podemos ser iguais em muita coisa, porém existe um detalhe: e dessa vez eu não vou te confessar.

domingo, 11 de outubro de 2015

Eu voltarei por você

“Sometimes we get cold
No words to fix it up
You get so stubborn
I get so stubborn
We hide behind walls
Our joy becomes ghosts
I wish you'd care more
I know I care”
(Yours – Lucia)


  OLHOS DE VIDRO

Uma vez uma sábia disse para mim: “Temos de abrir mão de muitas coisas para podermos seguir adiante. O medo de deixar o que não se tem (...)que deixemos algumas pessoas para que outras possam vir e ocupar lugares...”
Às vezes vivo tanto os sonhos dos meus personagens que muito das vezes eu deixo de sonhar por mim mesma. É como se a minha empatia fosse transferida para cada personalidade que escrevo. Eles passam a viver enquanto eu mesma passo a ser apenas telespectador. 
É exatamente nessa hora que eu preciso daqueles que se importam comigo para me tirar daquelas cordas. Me sinto marionetes, aonde quem passa a brincar comigo são as minhas criaturas. 
Algumas vezes ver esses espetáculos a olho nu faz bem, mas algumas vezes nem tanto. O pior é quando você se apaixona por alguma ideia borrada nos rascunhos. 
Elas se libertam daqueles papéis e dizem “Boo!” com a maior naturalidade. E passam a pregar peças em você. Aparecendo nos seus sonhos, algumas vezes no café da manhã ou em forma de música. Mas elas estão sempre lá, te admirando de longe com aqueles olhos de vidro.
Aqueles olhos de vidro que serei incapaz de esquecer...


sexta-feira, 9 de outubro de 2015

Um misto de mulheres


...porque ela acreditava em fadas, então eu passei a acreditar também.

===========================================================

Oi oi oi tchutchucos da Gaby hahahhahah Fazendo a #FabiBertotti agora. ADORO!

"Cerveja" como são as coisas... tem como não amar o escrever? O criar? O interagir?
Estou super feliz com esta nova vibe que estou passando com o pessoal do R.L.
Tá que algumas vezes o descaso come solto, mas há sempre alguém que nos faz ficar, ou pelo menos estar mais presente.
Por esses dias ando trocando comentários com uma leitora/escritora e o amor fraternal foi quase que instantâneo e mútuo. Me fez relembrar os bons momentos do falecido orkut e suas festas virtuais ahahahahaha #oldschool para quem entender isso.
A postagem de hoje vai ser um textinho em parceria com a loirão PattyZÃO Costa.
Mana, thanks for saving me!
Bom final de semana estendido para todos!!! Amanhã começa a convenção dos primos Corrêas. Estou suuuper empolgada. Que este seja o primeiro de muitos.


" E na descoberta encoberta de linhas e entrelinhas

A união de laços redescobertos se fez
Não sabe-se nem como, e nem porque...
No misto da mulher de mil faces...
Da pele alva, e dos fios vermelhos feito o fogo...
Duas almas amigas formularam-se na tez.....



Uma empolgação que parecia coisa de amador
Mas sabe-se que amor com respeito não foi todo queimado
Naquele encontro do passado quando as bruxas desvairadas
Traíam uma as outras por causa de prazer
A sorte do renascer veio junto com a oportunidade de transcender
E assim se reencontrar  selando o que nunca foi perdido, o carinho...



E no tempo distante de outroras vividas,
Entre Brumas e Avalons...
No companheirismo ditado pela era vivida
Nada o tempo apagou...
Tudo em reciprocidade, a semente brotou....
Em bocas e livros envelhecidos pelos anos
De letras trocadas e afinidades descobertas....
Feito que escrito em eras...
O céu anunciou a volta...
E na magia, a redescoberta.



Assim segue as duas almas unidas
Saltitando de alegria feito crianças
Pois muito bem se sabe que o que fica
São as doces e eternas lembranças....



E feitas de lembranças
Duas almas feito Fênix, renascem....
Posto duas mulheres ,
No regozijo e plenitude da amizade....
Que carregam...
De Evas
As Mil faces...."

Dueto :  Gabriella Gilmore e Patty Costa !

quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Troca de sentimentos



Uma vez comentei com minha terapeuta que um dos sentimentos que até hoje eu não aprendi a lidar foi o da rejeição. É como se o mundo com toda sua gravidade jogasse seu peso sobre mim. É horrível.
Acontece que quando finalmente me dou por mim (depois de ter levado várias pancadas), aquele sentimento se torna muito escuro. Na verdade ele muda de cor. É como se eu necessitasse de trabalhar com substituição.
Sempre fiz isso. Porque para superar algum desastre eu preciso trocar um sentimento por outro.
Só que sabemos que apagar alguma coisa apenas com os dedos deixa manchas, borrões. E escrever por cima não significa que aquilo ali apagou. Entende?
É uma droga!
Como todo maldito vício tenho essas recaídas, e te apagar da minha lembrança está me custando todos os dedos, e está doendo pra caramba.

terça-feira, 6 de outubro de 2015

Mude a mira



(re)post meu do ano de 2013 se fazendo presente nos dias de agora.

Assim são as coisas: Elas vão e voltam, persistem, te enchem o saco.
Te emputecem, te enfraquecem, te enriquecem!
Algumas te deprimem, te oprimem, te matam.
Outras fortalecem, te enobrecem, te iluminam.
Se você ganha, você perde.
Se você cai, você levanta.
Você chora, ri, se torna serena.
As oportunidades aparecem, somem, mas voltam em outras.
Agarre-as!
Se precisa parar de pensar, pare.
Se lembrar te faz adoecer, esqueça.
Se esquecer te faz vazio, enche-a com coisas que te dão prazer.
Busque o foco.
Lute por ele.
F.O.Q.U.E-O! (Naquele duplo sentido aportuguesado do f....ir-se)

segunda-feira, 5 de outubro de 2015

Uma vez na prisão



- Você é bem durona, não é Gipsy? Sei que é fácil se convencer de algo que você não é. E pode fazer isso lá fora. Dá para seguir em frente.  Basta se manter ocupada pra não ter que encarar quem você é. Mas você é fraca.
- Saia de perto de mim!
- Sou como você. Também sou fraca. Não consigo passar isso aqui sem ter alguém para tocar e amar. Isso acontece por que o sexo alivia a dor? Ou por que sou um monstro sexual? EU NÃO SEI! Mas sei quem eu era antes de entrar aqui. Eu era alguém com uma vida que eu tinha escolhido.  E agora o lance é superar um dia sem chorar. E ainda tenho medo. Tenho medo por eu não ser eu mesma aqui ou tenho medo de ser. As outras pessoas não são o pior da cadeira, Gipsy,  a parte mais assustadora é encarar quem você realmente é, pois uma vez aqui dentro,  você não tem pra onde fugir mesmo se conseguisse correr. A verdade te encontra aqui. E  você acaba sendo uma fracassada de verdade.

(OITNB)

sábado, 3 de outubro de 2015

Errei tentando acertar



Escutando uma das minhas músicas favoritas.
Nobody's perfect de Jessie J.

========================
Talvez eu seja uma das pessoas mais imperfeitas do mundo. Mas é exatamente tentando acertar que eu erro.
Mas não é um erro de propósito, mentiroso ou armado. É um erro na tentativa de acertar uma mira, uma meta, um amor, whatever.
Essa música da Jessica é uma das letras que eu mais me identifico, e por curiosidade é a que eu mais gosto de cantar, e até mesmo a cantora disse uma vez que é a favorita dela em fazer acústico.
Sei lá... Nessa letra de melodia com tão simples acordes, você sente... você vive, você acaba concordando sobre os carmas que a gente atrai para nós. Ele vai e ele volta. Cabe a nós sabermos usar as energias a nosso favor e não contra nós mesmos.
Tenho levado tantas porradas no mesmo machucado que às vezes acho que estou com diabetes. Ferida essa que nunca cicatriza.
Será que isso há de passar? Esse "infinito dentro do infinito"?
Ando cansada de tentar buscar essas respostas...
(...) continua.

sábado, 26 de setembro de 2015

Do filme Lucy



Um filme complexo e intenso, que nos deixa uma série de questionamentos. Mas é um filme para poucos. Posso dizer que apenas "iniciados" poderiam extrair alguma coisa válida nele.
Vou deixar um diálogo para reflexão hoje.

Como conseguiu acessar toda essa informação?
– Impulsos elétricos, cada célula conhece e conversa com todas as outras, elas trocam mil bits de informação por segundo entre si. As células se agrupam formando uma rede de comunicação entre si, gigantesca, que por sua vez forma a matéria. As células se reúnem, assumem uma forma, se deformam do jeito que quiser, não faz diferença, é tudo igual.
– Os humanos se consideram únicos, então basearam toda sua teoria de existência em sua singularidade, 1 é a sua unidade de medida, mas não é. Todos os sistemas sociais que criamos são apenas esboços, 1 + 1 = 2 é só o que apreendemos, mas 1 + 1 nunca foi igual a 2. Na verdade não existem números, nem letras, codificamos nossa existência para reduzi-la ao tamanho do homem, para deixa-la compreensível. Criamos uma medida para podermos esquecer sua insondável escala.
– Filmem um carro correndo em uma estrada, acelerem a velocidade da imagem infinitamente e o carro desaparece. Então que prova temos de sua existência? O tempo dá legitimidade a sua existência. O tempo é a única unidade real de medida. Ele é prova da existência da matéria. Sem o tempo não existimos.
– Todo esse conhecimento. Não sei se a humanidade está preparada para ele. Somos movidos pelo poder e o lucro. Diante da natureza humana, pode nos trazer apenas instabilidade e caos.

– A ignorância trás o caos, não o conhecimento.

Nunca deixe de ser um #Introspectors 


sexta-feira, 25 de setembro de 2015

Before I'm dead




Andei cavucando algumas coisas do baú e relembrei algumas músicas do Kidneythieves que amava e que fez parte da trilha sonora de um dos filmes vampirescos mais perfeitos até então.
A letra da música nos deixa uma pergunta: O que você faria antes de morrer?
Eu faço alguns trechos dessa música as minhas palavras.


"The ocean wide salted red
Reminds me 
What to do before im dead?
To see you
To touch you
To feel you
To tell you
The sun reclines.....reminds me".


E você? O que precisaria fazer?

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Dead flowers



He ain't feeling anything
My love, my hurt, or the sting of this rain
I'm living in a hurricane
All he can say is: "man, ain't it such a nice day!?"
Yeah yeah

I feel like that small string of lights
You said we won't go far but we're still rollin'
I look in the rear view and I see dead flowers in the yard
And that string of lights they ain't glowin'
Like dead flowers

===========================================
#Mood do dia visivelmente #DeadFlowers

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Ciranda


Quando a vida é um dilema
Não há muito o que fazer
Galileu gosta da Hanna
Até cansar de se perder

Hanna gosta do Filisteu
Que por não existir não gosta de ninguém
Ciranda cirandinha
Agora todos estamos aquém

G.Gilmore

domingo, 20 de setembro de 2015

Bem-te-vi Primavera!



Hoje acordei com sons do bem-te-vi bem na minha janela.
Abri um sorriso largo e nem me importei do quão cedo era.
Gabriella acordando as 5 AM em pleno dia de folga?
Voltei a cochilar.
Algumas horas mais tarde senti de longe o cheiro de café fresco e panquecas. Ao fundo, os Beatles faziam um show particular para minha mãe.
Resolvi levantar.
Fui ao banheiro, lavei o rosto com meu novo e perfumado sabonete de erva doce, escovei os dentes e terminei de me espreguiçar.
Aquela música contagiava o nosso lar.
Meus pés batiam de acordo com o ritmo alegre.
Era a Primavera dando o ar da sua graça!
Sem falar nada, fui até o salão do café, peguei minha mãe pelas mãos e fomos dançar...
Café, pássaros, sorriso largo, Beatles!
Seja mil vezes bem vinda, Primavera!!

sábado, 19 de setembro de 2015

A dor da transformação


Voltei a escrever sobre pseudônimo, e confesso que está um tanto interessante. Posso dizer que está um pouco mais maduro, a personagem que eu havia criado há alguns anos.
Sinto não poder dizer o nome, porque senão eu não estaria mais sobre pseudônimo, mas quando a personagem morrer, provavelmente terei um grande acervo para divulgar por aqui, e mesmo que seja algo antigo, costumo dizer que meus personagens são atemporais. Isso chega a ser assustador.
Bom sábado, pessoas!

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Caminhos divididos

You idiot! True love won't desert you
'Cos you know I still love you
Though we touched and went our separate ways.


Constantine


Não espere muito das pessoas. O que vier é lucro. Nunca se esqueça disso.
Por que me canso tão rápido das coisas? #Mood
Bleh!

segunda-feira, 7 de setembro de 2015

Burnin' up - cover no Soundcloud

Feriadão, calorão, e eu aqui suando para cantar pelo menos um pouquinho bem para atualizar o Soundcloud haahahah
Uma vez escutei essa música e achei "ah, mais uma coisa pop ai"... preguiça. Mas uma vez que vem da diva britânica, não deve ser de tudo ruim né?
Tá aqui o acústico e não me zoam porque não foi fácil tocar e cantar kkkkkkkkkkk e sussurrar. Caraca!


Beijosss

sábado, 29 de agosto de 2015

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Escrever é...

"Escrever é como desabafar em linhas.
É poder criar um mundo novo, acrescentando tudo aquilo que aprendemos, tudo aquilo que vimos. Contudo, sem deixar a dúvida para trás, de que a vida real é assustadora. Pois se acreditássemos em tudo que lemos por ai, certamente o mundo seria o pátio de um grande hospício, e eu e você, loucos".

Escrevi isso na contra capa de um livro meu que autografei.
Sabe o que acontece? São as malditas análises.
As pessoas adoram tentar nos decifrar. Na verdade elas adoram ainda mais achar que estão analisando com exatidão.
Lembro de uma análise literária que meu livro ganhou de um autor lá de SP.
Ele jurou de pé junto que pode me conhecer através da personagem Rafaela.
MEU-FI-LHO! Nem eu estou 100% o dia todo! Estou assim hoje, amanhã eu apago e me reescrevo. En-ten-deu?
E ai gente, como vocês estão?
Vou deixar aqui um videozinho meu tocando Price Tag. kkkkkkkkkkkkkkk Nem vou falar de quem é né?
Obrigadaaaaaaaaaaaaa povo! Até a próxima. Fuisss.


quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Minha saída do CLV

Bom dia povoooo!!
É com um pouco de pesar que venho anunciar minha saída do Clube de Leitura Virtual pelo motivo de falta de tempo para produzir. Eu já estava passando por uma "meia" ausência desde o final do ano passado quando voltei para minha terra natal, porém, o medo de continuar deixando o CLV na mão eu tive de tomar essa dura decisão.
Quero agradecer a Bruna por ter abraçado este clube tanto quanto Waleska, que em nenhum momento criticaram meus "buracos" nas postagens. Quero agradecer a todos os leitores carinhosos e companheiros que fizeram muitos dos meus textos estar no TOP 10 do clube. Isso é muito legal!
Quero agradecer ao pessoal que participaram dos sorteios e mais uma vez parabenizar a Cátia Fernandes por ter sido a ganhadora do último.
Enquanto houver pessoas talentosas para escrever, acredito que o CLV estará ali ativo, e com certeza continuarei divulgando o espaço.
No mais, deixo meu saudoso sorriso e abraço apertado.
FUI!
Cátia Fernandes *_*


quarta-feira, 26 de agosto de 2015

A MOÇA QUE ME SEDUZIU

Ouça “Who you are” de Jessie J aqui.



Foi quando eu descobri que ela teve um A.V.C.
Tudo em minha vida acontece rápido, como se eu fosse obrigada a acompanhar cada segundo sem me perder. Isso não é ruim. É? O ruim é que ela acaba tão rápido quanto.
Me empolgo em segundos conseguindo ficar nesse êxtase por algumas semanas quando finalmente me canso, jogando tudo para o ar, algo que foi intenso, marcante, lindo!
Sua voz poderosa, autêntica, seu sotaque.
Suas gargalhadas e palhaçadas.
Como não querer ficar por perto de alguém assim?
Me apeguei tão rapidamente que hoje eu aperto os olhos para não deixar as lágrimas caírem. É como se fosse necessário gritar para não escutar mais o seu vibrato, os seus” bla bla blas, rah, rah, rahs, sshiiitt”!
Eu perdia horas observando aquele seu jeito moleque, os erros de ensaios, aqui de longe. A distância era a única coisa real que existia entre nós.
Algo estava errado comigo. Como me dar este luxo de me apaixonar por alguém que nunca conheci de verdade?
Quem explica isso? Porque ninguém entende...
Tive de me concentrar ao máximo para não assisti-la mais. Jogando assim aquele vício de lado.
Quando comecei a me deprimi, ela me disse: “Está tudo bem não estar bem”. Foi quando permiti a Sra. Loucura tomar conta de mim. Companheira de alguns anos...
Na sua fraqueza.
No seu talento ordinário.
Eu soube que sua vida é leve e desprendida exatamente por causa daquele derrame, e a sua alma de vidro atravessou o oceano que nos separava só para roubar meus pensamentos que antes estavam opacos, para ela. E o que eu mais amei nela foi aquele A.V.C. O que há de errado comigo?

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Sindrome de asperger



Sou hipocondríaca!
Tenho essas manias de achar que tenho transtornos aqui e ali. Sabe como é, tirei meu diploma de médica em Cuba kkkkkkkkkkkkkkkk
Voltando ao assunto... acho que tenho síndrome de asperger também.

Para quem não sabe do que se trata, este transtorno é parente do autismo. (Quem se lembra de mim dos meses de idade aos 9 anos lembra muito bem do meu "serra-serra", de que eu não interagia com as crianças quando elas estavam brincando de dançar, eu sentava e "serrava", vendo-as dançando de longe). (Timidez hard level).
As causas ainda não são conhecidas, mas cientistas acreditam que há uma anormalidade no cérebro dessas pessoas portadoras. (der.. é obvio) e que outras doenças como depressão e transtorno bipolar podem estar relacionados ao Asperger.
O negócio que me fez me auto diagnosticar (nessa brincadeira) foi as pequenas obsessões.
Quem acompanha meus posts seja lá no instagram, twitter, soundcloud, youtube, e blablabla, já percebeu que a música da vez agora é da britânica Jessica Cornish, vulgo Jessie J. O negócio não é apenas sair de Evanescence e pular para Jessie J, é o estilo. Mas... algo saiu errado. Ou está errado. hauahuahuaha (rindo litros com este ra-ra-ra-ra). Efeito camaleão made on.

Oh, para não dizer que este post não valeu de nada, quero dividir a notícia de que meu livreto está disponível também para os viciados da apple. (iTunes).
Clique aqui para adquirir a versão em PDF.
Valeu!!

Beijos para vocês e fuiiis.


domingo, 23 de agosto de 2015

Flashlight


Quando chegar o amanhã, estarei por conta própria
Me sentindo assustada com as coisas que não conheço
Quando o amanhã chegar, amanhã chegar
Amanhã chegar

E mesmo que a estrada seja longa, olharei para o céu
No escuro, descobri a esperança perdida de que não voarei
Eu canto junto, canto junto
E eu canto junto...


She's my flashlight, light, light!!


Jessie J.
Escuta aqui.

sexta-feira, 21 de agosto de 2015

Voltando...


Ela não é a Britney Spears, povo! kkkkkkkkkkkkkkkkk
Resolvi postar este vídeo da Jessie porque é hilário como americanos acham que todo cantor extraordinário de outro país precisa dublar. Colé, mortais!! Ainda existem músicos que não usam auto-tune.

Frase de hoje veio em inglês. "The heart the beats inside of you beats inside of me too".
 (O coração que bate dentro de você bate dentro de mim também).
Ew, não gosto de traduções porque tira a beleza da coisa, mas...

Boa sexta pessoal. Eu estou voltando!

segunda-feira, 11 de maio de 2015

Blog em Manutenção



Prezado leitor.
O Introspectors está passando por manutenção.
Agradeço a compreensão.

Enquanto isso, conheça o #CLV Clube de Leitura Virtual.
http://ocheirinhodelivronovo.blogspot.com

Voltaremos em breve.

sábado, 21 de fevereiro de 2015

Sorteio no Clube CVL!


Heyyy Introspectors!!!

Sinto muito por não estar tão pertinho de vocês por aqui, mas eu não sumiria se não tivesse motivos. Acreditem.

Meu final de 2014 foi bem drástico, e no final das contas acabei voltando para a terra natal.

Mudanças repentinas requer muito foco, dedicação e determinação. (Eu estava quase sem nenhum desses citados), mas posso dizer que Deus selou meu ano par com chave de ouro.

Estou aqui corrida para te convidar a comemorar comigo o 1 ano do blog Clube de Leitura Virtual. Aquela revista cultural no qual sou co-fundadora. Estamos com sorteios de livros e já nos programando para outro no mês de julho.

Espia só:

http://ocheirinhodelivronovo.blogspot.com.br/2015/02/promo-1-ano-de-clv.html

Participe também! E caso não me encontre por aqui, é porque estou lá, estou ali, estou acá!

Bom final de semana pessoal!