quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Máscara

No halloween eu me dou ao luxo de não usar máscaras.
É o momento no qual posso ser eu mesma. E você? Está quem hoje?


domingo, 27 de outubro de 2013

O massante ENEM

O post de hoje é uma crítica ao sistema de avaliação do Brasil.

Postei indignada algumas frases no meu twitter no segundo dia das provas do Enem e tive alguns retweets delas. Escutei revoltas dentro do ônibus de pessoas que também estão chateadas pelo que vou escrever a seguir e depois me atrevi a perguntar algumas coisas a algumas pessoas que estavam na mesma sala que eu. O descontentamento foi quase geral.

Há algumas coisas que não entendo nesse país e vou citar abaixo:
# Pré-vestibular caríssimo
# Prova de Vestibular ou Enem
# Faculdade Federal (só para ricos) porque os pobres acabam pagando a particular. (OI?)
# Cota para indígenas e negros. (Tem coisa mais discriminante que isso?)
# Prova para passar em concurso público para trabalhar no S.U.S ou como Gari (?)

Bora lá.
Seguindo a ordem das minhas queixas, acho ridículo o pré-vestibular ser tão caro como uma escola particular. Se uma pessoa não tem condições financeiras para pagar o cursinho, consequentemente terá menos chances de passar numa Faculdade Federal.
As provas de Vestibulares e Enem são extensas, cansativas e faz com que a gente acabe errando os exercícios do final do teste por conta do cansaço, isso se a pessoa não perder o fio da meada no final da leitura dos anunciados E-NOR-MES.
A maioria das pessoas que estão nas Universidades Federais são pessoas que tiveram formação escolar em redes particulares ou grana para ter pago o preparatório. Salvo aquelas pessoas que os pais incentivavam o estudo pesado para sua entrada numa faculdade desde pequeno.
Cota para indígenas e negros, como se eles fossem de outra espécie ou alguém mais especial que outras pessoas só por conta da etnia. Me expliquem por favor o porquê disso. Assistentes sociais, oi?
Quero trabalhar como auxiliar de dentista no S.U.S ou como Gari e preciso passar em alguma prova para isso? Acontece que a maioria dos concursados do ensino médio se acham melhor do que qualquer outro trabalhador, só porque passou numa prova. Para mim, esse pessoal do serviço público deveria trabalhar até mais que os professores e médicos.
Tudo errado!

Oh presidente! A entrada nas Universidades deveriam ser para aqueles que realmente gostam de estudar, que gostam de aprender, e não para quem tem dinheiro ou passou numa prova de 4384894 questões. Sei que não haveria faculdades para todo mundo se isso fosse algo muito acessível, mas provas com 180 questões chega a ser um insulto. As pessoas saem dos locais das provas chateadas, ansiosas, e se sentindo o ser humano mais burro do mundo porque acabou chutando um monte de exercícios.
Quer avaliar o conhecimento? Ok. Porém, reavalie o tamanho dos testes. Pesquisem. Pergunte o povo o que acham, como poderia ser e o que seria mais viável, porque hoje eu sai convencida de que não sou a única a achar estúpido o sistema de avaliação desse país, ou seja: o problema não está só em mim.
Acorda BraZil.


sábado, 26 de outubro de 2013

Felicidade no ponto de vista pessimista.

Schopenhauer acreditava que a vida é uma roda de carência seguida de saciedade. Ficamos satisfeitos quando saciados? Por pouco tempo. Quase em seguida somos invadidos pelo tédio e obrigados a agir para escapar do horror do tédio.

“Trabalho, preocupação, cansaço, problemas é o que enfrentamos quase a vida inteira. Mas se todos os desejos fossem satisfeitos de imediato, com o que as pessoas se ocupariam e como passariam o tempo? Suponhamos que a raça humana fosse transferida para Utopia, lugar onde tudo cresce sem precisar ser plantado e os pombos voam assados ao ponto, onde todo homem encontra sua amada na hora e não tem dificuldade em continuar com ela: as pessoas então morreriam de tédio, se enforcariam, se estrangulariam ou se matariam e assim sofreriam mais do que já sofrem por natureza.”

Por que o tédio é ruim? Por que lutamos para afastá-lo? Por que é um estado do qual não conseguimos nos livras e que vem logo mostrar verdades subjacentes e desagradáveis sobre a vida: a nossa insignificância, a falta de sentido da vida, nossa inexorável caminhada rumo à velhice e à morte.
Portanto, o que é a vida senão um ciclo infinito de querer, satisfazer, entediar-se e depois querer de novo? Essa sequencia vale para todas as formas de vida? É pior para os humanos, diz Schopenhauer, pois à medida que a inteligência aumenta, cresce também a intensidade do sofrimento.
Existe alguém feliz? É possível ser feliz algum dia? O filósofo acredita que não. (Abafa que ele era mesmo pessimista).

“Em primeiro lugar, o homem nunca é feliz, porém passa a vida lutando por algo, pensando que vai fazê-lo feliz, não consegue,e, quando consegue, se desaponta: é um náufrago e chega ao porto mastros nem cordames. Portanto, não se trata de ser feliz ou infeliz, pois a vida não é senão o momento presente, que está sempre sumindo e, finalmente, se acaba.”

Bom restinho de final de semana, seus lindos!

Texto extraído no livro A cura de Schopenhauer.

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Perto do coração selvagem.





"Ler Clarice é quase um desafogamento. É perder o ar para saber como é respirar." Gabriella Lima

Ontem tivemos o encontro do clube do livro Café aux lettres, no Pier da Asa Norte, onde discutimos sobre o primeiro livro de Clarice Lispector.
Tive a responsabilidade e o privilégio de apresentar a obra e não imaginei que fosse ficar tão bom. Tenho problemas para falar em público desde o primário, é uma luta diária tentar superar esse trauma, mas acredito que o local com a luz baixa e as estrelas me guiando ajudou para que tudo saísse nos conformes.
Poder ver as companheiras na mesma vibe, interagindo com cada palavra de Clarice foi mágico. Costumo dizer que ler os textos dela é para poucos, e entendê-los é para menos pessoas ainda.
Mesmo enfrentando os maus olhados da época, Clarice deixou legados e legião de fãs. 
Muitas pessoas não gostam ou não entendem suas histórias por não terem exatamente um cenário, um enredo, cenas de ação ou capítulos sequenciais. Mas para a autora o importante era expor o que se passava na mente dos personagens. O seu ideal era pensar sobre tudo, mas um tudo simples, até mesmo a vida das baratas, ratos ou galinhas. 
Da mente muito inquieta e veloz, Lispector te mostra o que você está vendo sem ver, faz você sentir, refletir, até mesmo rir. Textos com linguagem metafórica,prosa intimista e com bastante fluxo de consciência, ela traz um novo estilo literário para o Brasil.
Lê-la é se aventurar dentro de nós mesmos, porque o seu olhar é o meu, é o seu, é o olhar do mundo. É estar perto de corações selvagens, independentes, prontos para darem um próximo passo.
Você é ou não é? Você está!

Aproveito para deixar uma sugestão de leitura. 
É um diálogo que fiz em 2008 inspirado em sua obra chamado: Conversando com Joana, de Clarice Lispector.

Bom final de semana pessoal!

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Reencarnação vampírica

“Até ontem eu havia decidido matá-la.
Comentei aos deuses sobre meu plano infernal
Porém hoje, quando chegastes a beijar minhas mãos
Encarecidamente mudei de ideia
Adiei meu ataque mortal”.

Em Reencarnação vampírica

Ainda em ritmo de Halloween, bora lá indicar mais contos para vocês.
Tenho essa "série" em duas partes chamada Reencarnação vampírica, book I e II que fez sucesso de leituras no site do Recanto das Letras.
Eu conto a história do anjo Gabriel que é amaldiçoado e vira vampiro. Ele transforma Dominique em vampira. Como toda viadagem, eles vivem um romance lindo, até possível, mas o camarada morre. Dominique pede a Nosferatus que a mate para que ela não sofra com a vida eterna sem o amado ao lado. Passando-se um século, Nosferatus precisa acordar a diabada toda porque há uma batalha para acontecer, mas Gabriel retorna diferente, e para você saber o que acontece, toma tento e vá ler a série. É muito boa. Prometo. Há um livro que já faz meses em que estou trabalhando para criar núcleos sobre esses dois contos porque eles merecem uma história detalhada.
Espero que se amarrem porque de tudo que já escrevi esse enredo é o que mais me fascina.

Reencarnação vampírica - Book I (O retorno de Gabriel)
http://www.recantodasletras.com.br/contosdesuspense/2205803

Reencarnação vampírica - Book 2 ( A estrela da manhã)
http://www.recantodasletras.com.br/contosdesuspense/2435060

Boa leitura!

domingo, 20 de outubro de 2013

Uma mestiça no Vaticano



Boa noite pessoal!
Em ritmo de Halloween, esse mês de outubro que super amo, quero deixar algumas sugestões de leitura.
Tenho alguns contos no qual adoro e que acabam sendo inspirações para futuros textos, porque alguns eu não dei um final.

Que tal ler este Uma mestiça no Vaticano ?
http://www.recantodasletras.com.br/contosdesuspense/759725

Tenho também um super maneiro no qual eu tive a audácia em dar vida em uma das bruxas de Anne Rice.
Se chama Conto de Mona Mayfair.
http://www.recantodasletras.com.br/contos/2940631

O primeiro é bem curtinho, já o segundo levará uns 10 minutos da sua atenção.
Deixe comentários, e se você tiver algum texto com a vibe de Halloween, me mande. Gostaria de ler suas idéias também.

Um super beijo a todos!



sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Na rua, na chuva, na fazenda.



Não estou disposto
A esquecer seu rosto de vez
E acho que é tão normal
Dizem que eu sou louco
Por eu ter um gosto assim
Gostar de quem não gosta de mim...

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Prosa nossa.

“Esse sentimento de despertencimento me irrita.”
Gabriella Lima

“Ninguém sabia que ela estava sendo infeliz a ponto de precisar buscar a vida.”
Clarice Lispector

“A cada bela impressão que causamos, conquistamos um inimigo. Para ser popular é indispensável ser medíocre.”
Oscar Wilde

- Saudade de você, véi.
- Eu sou inesquecível, eu sei.
- Saudades dos meus amigos em GV também.
- Eu sei.
- Estou meio revoltada aqui. Sei lá. Essa viagem mexeu comigo.
- No que?
- Em um monte de coisa. Minha visão sobre as pessoas, conceito de amizade, amores, romances e panz. Me deixou mais cética, fria, porém carente. Olha que merda! Quando eu acho que encontrei um grupo legal no qual realmente me identifiquei, eu tenho que estragar tudo. Sempre me engano.
- Amizades ai estão tensas?
- Acho que sim. Tenho Ego meio gigante às vezes e vou acabar sozinha assim. Porque lá no fundo eu me vejo como uma pessoa muito boa, e as outras pessoas me cansam, me entristecem e não me merecem, dai me isolo. As pessoas aqui não são tão confiáveis.
- Difícil serem, mas assim, não crie expectativas. As pessoas fazem merda. Nós fazemos.
- Se não fosse minha irmã aqui, acho que já teria ido embora. Ela é meu elo de fidelidade, fraternidade e só. Apesar dos pesares, estamos unidas... Estou cansada de gente interesseira, gente falsa, gente desligada, fria, cansada, sumida...
- Já falei, não crie expectativas. Ninguém é perfeito.
- Na minha cabeça eu sou e isso está me dando nós.

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

Morrer e renascer.

Phoenix

Aos poucos habituou-se ao novo estado, acostumou-se a respirar, a viver. Aos poucos foi envelhecendo dentro de si, abriu os olhos e novamente era uma estátua, não mais plástica, porém definida. Bem longe renascia a inquietação. À noite, entre os lençóis, um movimento qualquer ou um pensamento inesperado acordava-a para si mesma. Levemente surpreendida dilatava os olhos, percebia seu corpo mergulhado na confortável felicidade. Não sofria, mas onde estava?

Trecho de Perto do coração selvagem. 

sábado, 12 de outubro de 2013

Hostels em Floripa - SC



Hoje eu tenho uma missão bem maneira e “perigosa” para fazer, pois como foi a minha primeira experiência sobre o assunto que trarei a seguir, posso receber críticas.
Sempre ouvi falar de Albergues/Hostels, mas só o que vejo na TV. Confesso que tive curiosidades em conhecer a “vibe” de como é dividir quartos com galera do mundo todo, porém tudo fica mais claro quando a gente passa de telespectador a ator da peça.
Tive oportunidade de me hospedar recentemente no Way2Go! Hostel em Floripa – SC, e como dizem por ai, “a primeira vez é sempre inesquecível”. E foi!
Não sei dizer se foi sorte ou se foi à competência da administradora por cuidar tão bem daquele casarão em que me senti em casa.
Fiz uma entrevista breve com Roberta Bolzani e achei digno de dividir com vocês a minha experiência, a dela, e aproveitar para deixar um convite a todos Introspectors!

Conta para gente Roberta, há quanto tempo existe este Hostel?
Roberta: O Way2Go foi fundado no dia 11 de fevereiro de 2010. Há três anos e meio praticamente.

E como foi criar este espaço?
Roberta: Foi bacana. Na verdade foi tudo muito rápido. Meu irmão comprou a casa no final de janeiro e nós tínhamos duas semanas para iniciarmos e ainda queríamos aproveitar aquele verão porque era a semana de carnaval, então a gente queria estar aberto na sexta-feira de carnaval para ver se conseguíamos um pessoal bacana, e aproveitamos esse público que não tinha reserva, que aparece do nada, então fizemos um precinho bacana para o pessoal que achávamos pelas ruas para eles ficarem, e foram assim nossos primeiros hóspedes.

E antes de administrar o Hostel, em que você trabalhava?
Roberta: Eu trabalhava no financeiro de uma empresa de engenharia há muitos anos atrás. Foi meu ultimo emprego aqui no Brasil. E não tinha nada a ver comigo, obviamente, ficar trancada num escritório com números e afins. Não era para mim. Então eu fui tentar a vida em Londres, e como eu não tinha um inglês muito bom, meu primeiro emprego foi como camareira. E foi ai que tudo começou. Eu comecei de baixo e fiz de tudo. Esse foi meu primeiro contato com hotelaria. Descobri minha paixão: receber pessoas.

Conta para nós como é a concorrência aqui? Por que assim, eu gostei muito de cara, até falei para você. Vou trazer gente aqui, vou indicar, porque esse seu jeito descolado de interagir com a galera faz com que a gente se sinta em casa e queira voltar sempre. Isso é um plus!
Roberta: Ah obrigada! Rs. Mas então, a concorrência tem crescido e muito. Quando abrimos em fevereiro de 2010, existiam sete antes da gente, e agora acho que são mais de quarenta. Assim, eu acho que diminui um pouco para nós, mas meu público sempre volta. 98% das pessoas que estiveram aqui e retornam a Florianópolis voltam para cá, então o difícil para mim é conquistar quem está vindo, é quem ainda não veio, é que não conhece o Way2go!, porque você fica perdido numa lista imensa de opções e você não sabe o que escolher às vezes. Eu vejo pessoas que estão abrindo Hostels em casas velhas, colocando um monte de cama lá dentro e fazendo a 10, 15 reais, dizendo que é Hostel. E isso me prejudica no sentido de que se você nunca foi a um Hostel,  você tem uma péssima primeira experiência,  e você fica lá, você não vai querer ficar mais em Albergues, porque vai achar que aquilo ali é um Hostel, mas não é. Contudo, aqueles que estão abrindo com qualidade, pagando funcionários, impostos, tudo certinho, eles vão fazer as coisas bem feitinhas e vão conquistar as pessoas. Então se você vai para um Hostel legal e na próxima vez que vier não houver vaga lá, você vai procurar um outro Hostel , mas se você já odiou o primeiro, você não vai querer mais ficar em Albergues, e isso me preocupa. Se eu pudesse fechar Hostels, eu fecharia aqueles que estão denegrindo a imagem da nossa classe, pois atrapalha quem quer trabalhar com qualidade. A gente quer oferecer o mesmo que um hotel oferece, a diferença é que você divide quarto e paga menos por isso, e você tem praticamente todos os mesmos serviços. A gente consegue vender passagens, ter serviços de limpeza, servir um café da manha gostoso. Nossa casa está reformada, com colchões novinhos, estamos reinvestindo nas camas, enfim, todo ano a gente faz um reinvestimento, uma pintura, limpeza é tudo!! Além do mais, há o quesito segurança, do qual muitos se esquecem. Todo Hostel deve ter alvará da vigilância sanitária, e alvará de bombeiros. Estamos regulares e temos todas as certificações. Nós genuinamente nos preocupamos não só com o bem-estar, mas também com a segurança daqueles que recebemos.

É por isso que as pessoas voltam!
Roberta: Exatamente. Porque Hostel é um meio de hospedagem simples e barato, mas com qualidade!!! Por isso que fico chateada com as pessoas que não trabalham direito, porque eu perco um hospede em potencial. Porque ele se hospeda em um lugar sujo, onde não há um serviço de recepção ou de atendimento decente. Ele fica jogado em uma casa enorme com mais de 500 pessoas sem nem ter o banheiro limpo. Ele nunca mais se hospedará em outro Hostel se aquela for sua primeira experiência.

Traumatiza, é verdade. Rs.
Roberta: Sim! Rs.

Você comentou que pensa em expandir os negócios. Conta para nós sobre a ideia da franquia.
Roberta: Assim, a gente teve muita sorte quando abrimos, mas não é fácil. E como a gente já está no mercado há algum tempo e entendemos mais ou menos o quê que o hospede quer, inclusive, no primeiro ano eu perguntava muito para as pessoas o que elas estavam achando, o que elas queriam. É claro que nunca vamos conseguir agradar todo mundo, mas a gente entende mais ou menos o que eles procuram, e é isso que queremos oferecer. Às vezes uma pessoa paga cinco reais a mais para ter um lençol como o nosso, que é um percal 180, 200, que está limpinho, cheiroso, está passado, bonitinho, enfim, é um conforto por um pouco mais, e tem gente que paga mais barato mas não tem esse conforto, não tem café da manha, então a gente meio que aprendeu a fazer isso e queremos agora ajudar aos outros que querem abrir o seu próprio negocio.

E eles levariam o mesmo nome?
Roberta: Sim, levariam. E a gente vai dar todo o auxilio de marketing, o site seria junto com o nosso, as reservas são feitas pela central, a gente só encaminharia, quero dizer, a gente tem toda uma facilidade. Treinaríamos os funcionários, até mesmo o gerente, tudo no padrão Way2Go. Não queremos que usem só o uniforme. Seria uma qualidade padrão.

Uma curiosidade minha. Como você seleciona as pessoas que ficarão hospedadas aqui? Por que você pega os pedidos pelo site e você não sabe o perfil das pessoas. Pelo menos no meu quarto ali, eu fui abençoada com meninas de boa. A dona Carmen, a Laís, todas bem tranquilas. Parece que você tem um sexto sentido assim, sabe...
Roberta: Meu segredo é a Energia das pessoas! Ela funciona muito sabe e acho que as pessoas são encaminhadas para aonde elas devem ir. (Ilha da Magia, eu te amo). Eu acredito muito nisso. Quando é um Walk-in, pessoas que chegam aqui no balcão, se eu vejo que ela está com más intenções, eu digo que não tem vaga ou eu coloco um preço bem mais alto, porque eu não quero esse tipo de pessoa aqui. Eu trabalho por amor, e acho importante que as pessoas se sintam em casa, e eu sigo aquele pensamento de: se eu não dividiria o quarto com esta pessoa, eu também não quero que meus hospedes o façam. Não é a diária dela que vai me fazer mais rica ou mais pobre, eu prefiro que vocês (hóspedes) estejam bem, do que aceitar perfis assim. Por isso que depois das 23hrs se você não tem reserva, você não se hospeda. A não ser que você tenha reserva. Não há check-in após as 23hrs.

Quais são os desafios em administrar um Hostel?
Roberta: O desafio maior é tentar agradar o máximo de pessoas sendo que elas vêm de todo lugar do mundo e estão acostumadas com coisas muito diferentes. Às vezes você acha que vai agradar um, mas vai desagradar outro, é cultural, é gosto pessoal, cada um tem sua abordagem. Às vezes brinco com algumas pessoas, e tem outras pessoas que vão te olhar, tipo, “não gostei”, dai você tem que dar dois passinhos para trás sabe. Então o difícil é tentar agradar essas pessoas sem conhecê-las.

Para finalizar, deixe algum recado extra para que as pessoas possam conhecer melhor esse seu jeito “Way2Go!” lindo de ser.
Roberta: Olha, o pessoal deveria saber que Hostel não essa coisa do governo para desabrigados, tem muita gente que ainda chega com essa visão sabe. Way2Go! é uma casa que você esta alugando com amigos que você ainda não fez. A impressão é esta. Sabe quando você está numa viagem e aluga uma casa de férias? É isso que queremos. Que você venha para cá para fazer amigos surpresa porque é geralmente o que acontece. No final da semana, todo mundo já trocou facebook, trocou e-mails, e está todo mundo se encontrando em outros lugares.

É verdade. Fizemos isso lá no quarto em que estou.
Roberta: Pois é. É isso que queremos. Nunca tive problemas com roubo. Em quase quatro anos de funcionamento, tenho muito orgulho em dizer que NUNCA, ninguém teve nada furtado aqui. A galera é muito legal. Minha bolsa fica aqui, aberta, justamente por conta dessa seleção que eu faço. Claro que já encontrei alguns tropeços, mas o número de pessoas boas é bem maior. Então fica meu convite. Conheça um Hostel, mas que seja de qualidade viu? E se estiver na Ilha da Magia, venha hospedar-se conosco. Em nome da família Way2go! eu garanto que você vai pensar: Por que nunca fiquei em Hostel antes? Pousada e hotel, nunca mais!

Super sugestivo, não é?

Otávio.

"De profundis." Joana esperou que a ideia se tornasse mais clara, que subisse das névoas aquela bola brilhante e leve que era o germe de um pensamento. "De profundis". Sentia-o vacilar, quase perder o equilíbrio e mergulhar para sempre em águas desconhecidas. Ou senão, a momentos, afastar as nuvens e crescer trêmulo, quase emergir completamente... Depois o silêncio.

Trecho de Perto do coração selvagem.

Ler Clarice é quase um desafogamento. É perder o ar para saber como é respirar.

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Road



foto: Mirante de Florianópolis. Out/2013


ATENÇÃO: Ouça a música. Leia. Sinta.

Esse é o momento em que você deita apertando os olhos bem fortes tentando dissipar as lágrimas.
Xinga você mesmo em voz alta se contorcendo de dor. Uma dor espiritual.
Quem é você?
O que você espera das pessoas que conquista?
Como se sente depois de deixá-las?
Sou um fantoche triste. Incompleto.
Va-zio.
Eu te uso. Você me usa. Nós nos lascamos.
Você entra fácil. O difícil é a dor da saída.
Eu vi o adeus no seu olhar.
O que você viu no meu?
Sabe por que eu não tenho medo de voar? Porque se eu morresse voando, tudo isso que tenho sentido e passado, idas e vindas, teriam um final. Eu não estou conseguindo terminar nada. As coisas começam sozinhas, se alimentando de água. É por isso que a fome ainda persiste.
Eu não estou terminando as histórias. Estou pulando para outras.
Tudo errado.
Tudo trocado.
Vazio.

terça-feira, 1 de outubro de 2013

Feels like home.



Acordei cedinho e vi que era outubro.
Ele chegou fresquinho. Chuvoso.
Através da minha janela eu escutava os passarinhos cantando.
Eles também estavam felizes. Eu sei.
Aquela família naquele ninho tem sido meus fiéis vizinhos.
Oi. Acorda. Você está bem?
E o sorriso de anjo traz paz para selar esse mês pirim pimpim.
Frio, Gramado, dia das crianças, Halloween!

If you knew how lonely my life has been
And how long I've been so alone
If you knew how I wanted someone to come along
And change my life the way you've done

Chantal Kreviazuk.