segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Ele não está morto


Porque Dele, e por Ele...



Bem, o post de hoje é mais um bate papo entre eu, eu mesma e Cindy.

É uma reprise daquele assunto que a gente teve no face.

 Sabe amiga, a gente sofre porque somos bem burras e teimosas.

Lembra do tal exemplo que eu te dei sobre o rapaz alcoólatra que tem um desejo enorme de sair do vício, mas ele ainda continua frequentando bares, andando com amigos que bebem, fazendo com que sua cura seja quase que impossível? Sabe aquela coisa de “mudar de canal”? Pois é exatamente isso que a gente precisa fazer quando queremos mudar. Às coisas não caem do céu (claro que eu acredito num Deus soberano que se quiser jogar tralhas do céu abaixo, nada O impede), mas você entendeu o que eu quis dizer. Se eu quero mudar, primeira coisa que eu preciso fazer é mudar de ambiente, mudar de frequência, de canal, whatever.

Se eu quero emagrecer, o mínimo que eu preciso fazer é sair fora das guloseimas, certo? Corra daquilo que te apetece, fofa kkkkkkkkk

Enfim, quando a gente realmente quer uma mudança, ela flui de forma radical, por incrível que pareça. Contudo, eu não vejo isso como algo ruim não.

“Ah, mas eu já gritei em alto e bom som para Deus me modificar, e eu continuo a mesma!”, disse você fazendo drama “a là Maria del Bairio versão aloka”. Você já parou para se perguntar se alguma vez foi sincera quanto ao pedido de socorro? Porque lá no fundo, muito das vezes estamos tão confortáveis na condição atual em que nos encontramos que mudar parece ser um saco, e um tanto cansativo. “Aff, o que vou falar para meus amigos? Como vou fazer novas amizades? E a solidão do recomeço?” Ahhhhh, tudo tem um preço, fofinha. Porém, quando uma decisão de mudança é para algo melhor, ela funciona como um tsunami, que vem para arrasar tudo em forma de limpeza, para depois algo melhor ser construído por cima...  É o tal “o choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã”, ou aquela citação sobre guerra, quando dizem que uma sociedade só muda quando vem o terror e se alastra por completo, e assim uma nova civilização renasce das cinzas... vai entender né?

Então querida, se você anda num circulo vicioso onde você mesma confessa que “nunca aprende”, é porque não quis aprender. Sorry! Repetir erros, e os mesmos erros me soa um tanto retardamento psicodélico kkkkkkkkkk

E sobre suas crises de Pânico, me faça um grande favor, procure um clínico e vamos tomar uns remedinhos para dar uma segurada nessa peteca, porque eu bem sei o inferno que é ter crises desse tipo, e a neurose que nos causa é enlouquecedor.

No mais, vida que segue, aprendizado gritando na nossa janela, nos chamando mais uma vez por sua atenção, e cabe apenas a você a se permitir que sua história se mude, ou que ela se repita tudo outra vez... tsc tsc tsc porque na história da vida, não existe reprovação, e sim enfado e cansaço até a gente abaixar a bola e dizer: MEU DEUS, entre em minha vida e mude minha história. “Não mais vivo eu, mas Cristo vive em mim”, disse Paulo uma vez.

Experimente isso, dê oportunidade para você mesma de finalmente entender o que é estar completa e satisfeita pelo que você há de se tornar: uma vencedora e prova viva do grande amor do Deus pai.

Minha saudações, minha querida Cindy.

Sua amiga, Gabi.

terça-feira, 29 de agosto de 2017

Dom Quixote - crítica literária



Desculpe amantes de Dom Quixote, mas esta critica não é sobre vocês.

by Gabriella Gilmore

Bom, eu achei o Dom Quixote uma mistura de mau gosto de Pollyanna com um paciente esquizofrênico em crise de abstinência dos remédios controlados.
Ele é um megalomaníaco, fanfarrão, que pensa que o mundo é do jeito que ele quer que seja, e se enfurece quando as pessoas não entram na sua "estória".
Ele usa dessa loucura para fazer essa aventura em sair pelo mundão “ajudando” as pessoas, viagem um tanto pretensiosa e delirante, nos mostrando o lado perigoso e flagelante da imaginação desgovernada.
Quixote se vangloria o tempo todo falando que sua missão é desfazer violências e socorrer os miseráveis, mas em grande parte da história ele está agredindo aqueles que não entram em sua fantasia, ou aqueles que o chamam de louco. (Por acaso ele é normal a ponto de ficar ofendido com a nomenclatura de maluco?)
Mostra uma inversão de valores quando na cena da conversa com o padre, que o repreende para que Quixote volte a si, para a realidade, e Quixote se defende falando que os padres não deveriam falar com as pessoas daquela forma, colocando o papel do padre como de uma pessoa preconceituosa, só pelo fato do mesmo está sendo sincero e conselheiro. Mas francamente, o padre fez mais que o seu papel em alerta-lo sobre um excesso que estava fazendo mal para o próprio Quixote, que vivia uma vida lastimável, passando fome, frio e risco de vida sem um real propósito.
Talvez uma das partes mais coerentes da história é quando o Duque resolve pregar peças em Sancho, e assim, Sancho e Quixote, provam do próprio veneno da imaginação descontrolada e autodestrutiva que é viver uma vida de fantasia sem uma finalidade, e nos passa uma mensagem de que para você acalmar um “doente mental”, você precisa dançar conforme sua música(loucura), e foi  assim que Sansão conseguiu enganar Quixote para fazer com que o mesmo voltasse para casa.
E uma pergunta eu deixo para você: O que o autor quis dizer com aquela cena final quando Quixote reconhece sua insanidade e passa a ser lúcido novamente? Por quê que é só no final de sua vida, que Quixote reconhece a imbecilidade de ter alimentado uma imaginação de forma tão degradante como ele o fez em grande parte de sua vida?
Bom, eu gostaria mesmo de tentar entender o que fez dessa história ser um clássico premiado, e quase que uma leitura “obrigatória” nas escolas. É, eu devo ser muito ignorante mesmo, pelo fato de não dançar conforme a música de uma sociedade totalmente mecanizada...

domingo, 30 de julho de 2017

Biblioteca Trem Pra Ler

Biblioteca Trem Pra ler

“Pois você trate de aprender a andar um pouco na contramão”. Disse Brenda, finalizando o nosso encontro do dia.



Brenda Pinto Borborema, 22 anos, estudante de Engenharia de Produção, é a criadora do Projeto Biblioteca Trem Pra Ler em Governador Valadares - MG. Eu tive a oportunidade de conhecê-la em uma das reuniões da Associação dos Artistas Plásticos de Valadares, quando em meio a lágrimas, divulgava o seu projeto educativo que ela vem trabalhando há alguns meses em sua comunidade. 
Eu fiquei encantada!
Depois da reunião a gente trocou telefones e logo marcamos um encontro. Eu sabia que ela tinha mais histórias para contar.
Uma menina madura, sensível, criativa e apaixonada, Brenda tem doado amor em forma de serviço voluntário a crianças e idosos do bairro Esperança.
Esse projeto tem o intuito em levar a leitura e a arte de pensar para as pessoas de forma leve, alegre e natural. Contando com um sábado sim e um sábado não, Brenda se encontra com alunos da região na praça Arnaldo Nick, em frente a cozinha e cultura Dom Caixote, e lá eles disponibilizam livros para empréstimos e também fazem rodas de leitura, sarau, e diversas atividades literárias, tudo para desenvolver e incentivar as crianças da região o amor pelas letras.
Muitos se perguntam o que esse projeto tem a ver com a Engenharia? Mas uma coisa eu te digo, a arte latente dentro de Brenda nos emociona, e nos faz enxergar uma luz lá no fim do túnel. O Brasil precisa de tantas Brendas quanto for o necessário, para doar o amor, o serviço, a arte, e essa virtude é uma raridade, e eu me sinto privilegiada de ter escutado um pouco de seus sonhos, e ver de perto o que a move em manter um projeto tão brilhante e importante como este.

Num mundo onde a gente encontra pessoas individualistas alimentando seus diversos traumas e medos, encontrar gente com essa livre e espontânea vontade de estender as mãos como uma forma de se conhecer e satisfazer uma carência... Ah! se todo mundo usasse seus conflitos para transformar sua lagarta em borboleta, o alívio seria coletivo!
Bom, eu poderia ficar aqui horas narrando o nosso encontro e a nossa aventura na "contramão" na Av Minas Gerais, mas o que eu quero mesmo é te convidar para participar do encontro na Biblioteca Trem Pra Ler neste próximo sábado, dia 05 de agosto de 2017, na praça Arnaldo Nick do bairro Esperança, às 19:30. Traga uma criança ou um idoso com você.
Nos ajude a espalhar essa inspiração, de notícia velha o mundo já segue cansado!
Um beijo!!
Gabriella Gilmore

Esse projeto é realizado pela universidade IFMG/GV, tendo como orientadora a Engenheira de Produção Thalita Rabelo Almeida dos Santos, e o coorientador Marcelo Augusto dos Anjos Lima Martins, contando com o apoio da voluntária pelo Instituto Federal, Miriam Soares Lote.



sexta-feira, 7 de julho de 2017

In Memoriam - Marinilso Marins




Photo tirada em Brasilia no museu nacional. (Que saudades!)


“Uma das melhores pessoas que conheci na faculdade. Era alegre, muito inteligente e organizado. Tenho certeza que era um excelente advogado e seria um exímio médico”. Hélcio, colega do curso de medicina.

"Um rapaz brilhante, educado, culto que teve uma vida sofrida, mas que estava se esforçando muito para se reerguer". Stephanie - colega do curso de Direito. .

"De coração enorme, sorriso encantador, olhar expressivo. Uma pessoa genuína, determinada com seus objetivos. Foi assim que ele me conquistou". Jefferson, amigo da família.

Não sei se tenho direito de escrever as coisas que irei falar... Contudo, eu sei que ele queria contar a sua história para todo mundo ouvir. Leiam, e vocês irão me entender.
Há alguns meses atrás, Marinilso esteve lá em casa para dizer que estaria ausente por alguns meses. Ele iria se tratar do vício das drogas. Obviamente foi um choque para mim porque em 10 anos de amizade, eu NUNCA, nunca imaginei que ele fosse usuário de drogas. NUN-CA. Não ele. Ele pediu para eu me sentar. Nós estávamos no meu quarto, dai eu me sentei e ele me perguntou: Lembra daquela minha Biografia que eu te falei no final do ano passado que eu queria que você escrevesse para mim? Eu respondi: sim, mas você quer mesmo que eu escreva? Príncipe, (falei com aquela vozinha infantil que eu imito às vezes) eu nunca escrevi uma Biografia antes, e você nem é tão famoso assim. Comecei a rir e dei um tapinha nele.

Bom, voltando ainda mais lá atrás, eu conheci o Marinilso na Nova Acrópole em 2006/2007.
A Banda Dionísios, no qual eu estava vocalista na época, estava se apresentando nesse dia, lá mesmo no terraço da escola, dai ele havia terminado sua aula, e foi checar o evento do dia. Lembro que ele ficava me olhando, com aquele sorrisão lindo, e quando terminou a nossa apresentação, ele veio se achegar até mim. Perguntou-me se eu era a moça que tocava Evanescence, dai logo imaginei que ele já havia me visto em outro lugar. Eu disse que sim e ali ficamos amigos para sempre. É aquela coisa de alma que se conecta a outra, entende? Não demorou muito, ele saiu da N.A, porém, mesmo assim a gente ainda se falava e se via quando tínhamos oportunidade. Eu trabalhava fora e ele vivia estudando, então a gente não se via todos os dias, mas a cada encontro parecia que o último foi ontem.
Ele era aquele tipo de amigo que você senta pra filosofar, para planejar a vida no futuro, praticar o inglês ou pedir conselhos na área de Direito. Era um menino a frente de seu tempo, e eu tenho certeza de que esse mundo de agora não estava preparado para ele. Marinilso era o cara! Eu era doida por ele.
Mas sempre me perguntava por que um menino tão lindo, tão culto e agradável vivia solteiro?
Marinilso era aquele tipo de cara que procurava respostas para suas infinitas indagações.
Sempre tive medo de ser invasiva e perguntar sobre as coisas que o seu coração escondia, ainda mais eu sabendo que ele era diferente. Contudo, eu imaginava o conflito interno que esse rapaz tinha e que de certa forma o fazia se afastar de casa, ou até mesmo de se abrir para as pessoas.
Ele chegou a frequentar a Gnosis, sempre buscando uma iluminação. Ele era bem místico. Adorava tirar os sapatos quando entrava na casa da gente pra sentir o chão e se conectar com a casa, e com a energia que aquele ambiente passava. Sem dúvida ele era um empata. E saber disso me faz um nó na cabeça, de como alguém tão inteligente, conhecedor de tantas coisas, o que realmente o levaria a fazer uso das drogas? Até comentei isso com a Amanda, uma colega da classe de Medicina. Vamos morrer sem saber...
Lembro de uma vez ele me contando como ele saiu do órgão público onde trabalhava: Gabi, só sei que estou sem cartão de crédito porque estou devendo horrores ao banco. E nessa época ele estava tentando concursos para ter um salário ainda melhor. E em uma de suas provas foi lá em Brasília, em 2012, salvo engano. Tive o privilégio de recebê-lo em casa, (eu estava morando lá nessa época) e orientá-lo a como chegar aos lugares quando ele esteve naquele final de semana para o teste.
Imagino que nessa época ele já deveria estar mais enrolado com seus conflitos internos, mas ele NUNCA, nunca deixou transparecer as suas crises emocionais. A única coisa que ele falava era: preciso estudar, não aceito trabalhar e ganhar menos de R$ 10mil reais não. Então ele literalmente vivia para os estudos. (Lembrando que a Medicina ainda não passava em sua mente).
Então, quando ele chegou para mim há uns meses atrás me dizendo do vício, a minha mente congelou.
- Gabi, é por isso que eu estou fazendo Medicina. Nem é por causa do salário não. Eu quero ajudar as pessoas com o mesmo problema que eu, entende? É por isso que eu quero te contar sobre minha vida, tenho tantas experiências pra dividir! É por isso que eu quero que você escreva minha história de superação. Eu vou sair dessa. Eu tive uma overdose uns meses atrás e eu não quero passar por isso de novo não. Eu vou me internar, eu vou melhorar, e vou quitar a dívida que tenho das drogas. Gabi,  é muito dinheiro! Mas eu vou sair dessa, e quero dividir isso com as pessoas, para que não passem pelo o que estou passando.
Eu estava chocada! Era muito para processar. Eu não conseguia ligar essa notícia ao Marinilso que eu vinha convivendo desde 2006.
Eu chorei um pouco e disse que estaria orando por ele para que Deus o libertasse do vício, e que eu o esperaria ansiosa para a gente começar a escrever sua história.
Algumas vezes eu mandava mensagem no celular dele, perguntando a sua tia (que estava com o aparelho) como ele estava, e eu sempre dizia que tudo iria ficar bem. Eu acreditava, entende? Ele não era qualquer um. Ele queria viver. Ele gostava de viver, de se conectar com as pessoas.
Quando ele voltou da clínica, foi tudo muito rápido. Ele logo começou a trabalhar de garçon e voltou para a faculdade de Medicina. Ele estava bem. Eu fui até jantar lá no seu serviço para poder vê-lo, e ele dizia que ia arrumar um tempo para ir lá em casa me visitar e devolver o livro que ele havia pegado comigo. E na semana da sua morte, na segunda-feira, ele me mandou mensagem dizendo que iria finalmente lá em casa para levar o livro e para nós conversarmos um pouco, mas ficou só na promessa...
Eu recebi a notícia por uma amiga em comum que está fora de GV. Era quase noite de sábado. Meu Deus, eu chorei tanto, e me escondia dentro do quarto para ninguém querer xeretar o motivo dele ter morrido. Sabe como é né? As pessoas tem preconceito, e logo julgam, antes de saber o motivo que levou a pessoa a estar naquela condição. Assim como foi a notícia no G1, depreciativa, que o descreveu como um usuário qualquer, como se fosse um bandido drogado. Fiquei furiosa, para variar.
Quanto vale uma vida? Quanto vale a sua vida?
Se eu pudesse, dessa vez eu seria bem invasiva, e ia fazer todas as perguntas do mundo a ele, para tentar entender o motivo que levou o meu tão querido amigo a tomar o caminho das drogas.
Seria a opção sexual e a luta interna em esconder ou não se aceitar? Seria a vergonha da sociedade? E as drogas? Em quê que ela iria ajudar??
Agora eu nunca irei saber...
Príncipe, sozinha eu não posso escrever sua Biografia. Por que você tinha de ir tão rápido?
É só eu pensar no seu sorrisão... que eu choro, choro muito.
Não estou fazendo apologia à homossexualidade, como muitos sabem eu sou cristã, mas eu espero mesmo que o mundo repense os preconceitos, porque mesmo eu pegando por base a explicação da minha religião sobre o assunto, eu sendo também uma pessoa pecadora, não posso menosprezar ninguém. Porque não é isso o que Jesus ensina. Porque em toda a Palavra de Deus é pregado o amor e a salvação em Cristo em Jesus. E como eu não salvo ninguém, eu não posso de maneira alguma condenar as pessoas. Esse não é meu papel. O meu papel como serva de Deus é levar a palavra de esperança sobre as boas novas.  Creia no Senhor Jesus como seu salvador e libertador e tenha uma vida plena e saudável. Se você que está ai, lendo esta mensagem, se você se identifica quanto às pessoas que condenam, hey! Olhe para o alto! Somos tão pecadores como qualquer outro ser humano. Aprenda a amar, aprenda a respeitar. E se você, por outro lado está sofrendo bullying, hey! Olhe também para o alto! Converse com Deus. Se abra. Eu tenho certeza de que os planos de Deus para cada um de nós é a felicidade em abundancia. Não deixa que o inimigo da sua alma te confunda, e te tire do projeto arquitetado desde a eternidade para a sua vida, e tudo que é pensado por Deus, pode ter certeza, é sempre perfeito e o melhor para cada um de nós.

"De toda a árvore do jardim comerás livremente, mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dela não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás" (Gn 2:16-17)

"Mas Deus prova o seu próprio amor para conosco pelo fato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores". Romanos 5:8

Que Deus conforte o coração dos familiares e que esta mensagem sirva de lição para todos nós!

Que a graça do Senhor Jesus esteja conosco hoje e sempre.




terça-feira, 4 de julho de 2017

4 de julho, Julie James...



Happy 4th of July, Julie!

Deivid, feliz aniversário, nego safado! 
Deysi, feliz dia, feliz sempre!! 
Amo vocês, relíquias da minha vida.

segunda-feira, 3 de julho de 2017

Psicologia dentro da Educação



Bom, em uma das matérias na faculdade neste semestre nos deixou uma pergunta de como a Psicologia poderia contribuir no campo educacional.
A princípio parece até simples... vejamos.
Conhecer o ser humano, tanto o que habita no seu interior emocional, suas lembranças, seus traumas, suas inspirações, quanto o meio em que vive, ajuda o professor a conhecer o tipo de aluno e a forma como ele poderia vir a aprender dentro de sala de aula. Uma vez que a escola tem feito também o papel de educador/orientador, torna-se essencial que os docentes conheçam como funciona o processo de aprendizagem, como o conhecimento se forma dentro de cada indivíduo, para que as aulas se tornem mais dinâmicas, funcionais e com significados para cada aprendiz. Quando o professor identifica alguma transtorno no aluno, com o seu conhecimento prévio sobre o comportamento desse ser, ele pode ajudar o mesmo a encontrar caminhos para sair do ciclo que possa estar o impedindo de progredir em sala, e assim ajuda-lo a se tornar um campeão em sala e também na vida. Nos dias atuais, os professores são muito mais do que apenas detentores do saber, aquele que repassa o conhecimento, para o aluno finalmente reproduzir, como "máquinas repetidoras". Os professores tem um papel importante para mediar o aluno nas diversas transições que ocorre em sua vida estudantil/acadêmica, mostrando para eles o leque que se abre, quando em conjunto (professor e aluno) discutem os conhecimentos adquiridos, tanto o aluno com o professor, e o professor com o aluno; parafraseando Paulo Freire quando disse a frase: "Quem ensina aprende ao ensinar. E quem aprende ensina ao aprender". (Em Pedagogia da Autonomia).

Comentário de Gabriella Gilmore - História (Uniube)

domingo, 2 de julho de 2017

Sobre meu encontro com Cristo

"A minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo; quando entrarei e me apresentarei ante a face de Deus?" Salmos 42:2



Muitos me perguntam como era a outra vida, os motivos que me trouxeram para perto de Deus, e o porquê deu ainda manter textos deprimidos, fictícios sobre vampiros e bruxas aqui no blog, coisa que ficou na vida passada... É, essas são boas perguntas.
Bom, começando pelo último tópico, eu não me incomodo em deixar exposto as marcas do passado, ideias um tanto imaturas, tristes, deprimidas. Talvez isso possa mostrar para as pessoas que se encontram nessa condição de que a vida delas podem mudar sim, por que não? Na verdade, muitos amigos meus que conviveram comigo na época do rock n roll ficam admirados e felizes por me rever iluminada e cheia de vida, e percebem que uma vida com Deus só tem um resultado final: alegria eterna e esperança. Talvez isso seja o motivo deu ainda não ter tirado do ar nenhum dos meus textos "cavernosos".
Bom, agora sobre como era a outra vida... Bom, eu acho que isso é bem obvio. Algo que todo mundo pensa é que nós somos livres e que temos controle de todas as coisas, até de nossas vidas. É, eu também pensava assim. Me achava super potente, pensava que só quem precisava de Deus eram pessoas sem perspectivas ou que no mínimo não tinham opinião própria. Eu pensava como todo mundo da "nova era" pensa: lei do retorno, lei tríplice, lei da atração, positividade, etc etc etc. E o que me trouxe para perto de Deus foi...
Bom, o conhecimento das coisas de Deus veio desde pequena. Minha família é bem religiosa e muito fervorosa. Porém, o meu encontro particular com Deus aconteceu ainda em Brasilia, em 2014.
Houve um momento que tudo estava satisfeito. Minha vida financeira, minha vida secular, meus sonhos sendo realizados na capital, mas a alma... incrível como nada conseguia preenchê-la.
Como será que se enche uma alma? Bem, creio que só mesmo o criador dela poderia fazer algo extraordinário para responder isso, foi quando comecei a buscar a Deus ainda dentro de casa, com orações e leituras bíblicas. Uma luz começou a irradiar meu dia a dia, um preenchimento interno me fazia satisfeita, e a sede de Deus começou a aumentar. Mas era uma sede de alegria em poder buscar a Deus. Tanta gente lá fora morrendo em seu nome né? Ou sendo perseguidos por levar o evangelho aos quatro cantos da terra... Dai eu comecei a frequentar uma igreja cristã, e mesmo tudo dando errado em 2014 (que me fez voltar para Valadares em outubro do mesmo ano), minha alma estava leve e contente. Eu ainda não conseguia explicar, mas hoje entendo que uma vida sem Deus pode lá ter seus benefícios (?) ou não, contudo, uma vida com Deus é plena! E eu acredito que o sentimento de plenitude só Ele pode nos dar, até mesmo o significado de vida plena.
Quando Deus me alcançou com sua graça irresistível, Ele me injetou forças para que eu pudesse enfrentar todos os desafios que tenho enfrentado até hoje, ainda mais quando se diz do preconceito, a cristofobia, dizem que somos caretas, etc, mas nada paga essa felicidade, essa paz, essa honra em poder servir um Deus que vive, reina, que cuida de nós, que nos dá a direção segura e o melhor de tudo, Ele vai vir nos buscar!


"Converte-te a teu Deus, guarda o amor e o juízo e no teu Deus espera sempre". Oseias 12:6

Post dedicado a minha amiga de infância e irmã na fé, Giselle Simões. Te amo fii.

sexta-feira, 30 de junho de 2017

Benefícios da leitura a Palavra de Deus



Quando o espírito de Deus nos fala através da Bíblia.

Essa semana foi tão pesada, que parece que trabalhei por um mês.
Lá no serviço, eu faço basicamente tudo, desde financeiro ao setor de compras e RH. Glória a Deus! Como tudo ainda é novo na empresa, está tudo uma bagunça. Deus sabe o quanto sou responsável com as minhas tarefas, que chego a surtar quando não vejo as atividades fluindo como deveriam porque tem pessoas negativas atrapalhando o fluxo. Enfim...
Juntou a semana de revisões de matérias para a prova final desde semestre na faculdade. Minha cabeça estava a mil. Pensa!
Confesso que só orei nas manhãs antes de sair, e li os devocionais da semana pelo aplicativo da Bible. Na verdade, eu poderia ter feito mais. Certeza.
Hoje, agorinha mesmo, cheguei do trabalho e fui logo começar a estudar. Terminei de ler um livro e comecei o outro, mas fiquei de saco cheio, assim, com o espírito incomodado por estar com saudade de ler a Bíblia, dai interrompi o estudo e peguei o livro de Paul Washer (O único Deus verdadeiro) que estou fazendo estudo bíblico com ele como referência. No capítulo atual estou vendo sobre a auto existência de Deus, e em uma das passagens para fazer a leitura saiu o Salmos 37. (MARAVILHOSO) e era tudo o que eu precisava ter lido no início dessa semana para não ter sofrido de graça como eu sofri esses dias. Boba!
Sabe, a gente se aborrece e se estressa porque a gente é teimoso, ou no mínimo pessoas de pouca fé. Eu peço tanto a Deus para me ensinar ter paciência e calma, que fico triste, muito triste quando eu perco o controle que Deus me dá em algumas ocasiões. Se eu tivesse lembrado de que confiar em Deus alivia o nosso peso do dia a dia, se eu desapegasse do sentimento de “injustiça” que eu maquino toda vez quando eu vejo um ímpio prosperando, eu teria passado essa semana linda leve e solta.
Dai quando eu li esse Salmos, foi um pá na minha cara, mas me deixou extremamente feliz e mais apaixonada por Jesus.
Te convido a meditar no Salmos 37, e deixa Deus agir em sua vida.

Um beijo!
Gabriella Gilmore

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Brasil Verde e Amarelo



Eu posso estar enganada, mas a faculdade de História está mudando o meu sentimento de #Brasil que existia em mim. Espero poder fazer alguma coisa por este país que eu tanto "desprezei". Nunca é tarde para reconhecer a própria ignorância.
Bom final de semana a todos, pessoal!!

quarta-feira, 3 de maio de 2017

Um nome: Introspectors (?)

Photo extraída do google

Boa tarde Introspectors!
Lembro como se fosse ontem, eu escolhendo um nome para meu blog em 2008. Eu sempre gostei de Psicologia, e sempre me considerei um tanto introspectiva. Eu também gosto muito de Clarice Lispector, dai acabei juntando o útil ao agradável. haahaha
Hoje, cursando História na faculdade, estou vendo uma matéria chamada "Psicologia da educação". E tem um momento que é citado o "Introspeccionismo" como um ramo da psicologia e eu gostaria de dividir isso com vocês. Afinal, esse blog eu posto tanto minhas  abobrinhas do mundo de Bob quanto coisa útil também.

Wilhelm Wundt criou o primeiro laboratório de Psicologia Experimental na universidade de Leipzig, onde realizava experimentos na área de Psicofisiologia. É a criação desse laboratório e os estudos desse pesquisador, denominados Introspeccionismo, que marcam o nascimento da Psicologia enquanto ciência. (BRAGHIROLLI et al, 2009)
Introspeccionismo buscava estudar a percepção humana em um modelo de investigação no qual o pesquisador deveria treinar a si próprio para identificar as sensações primárias que apareciam diante de um determinado estímulo (visual, sonoro, por exemplo). O objetivo era compreender como essas sensações nos atingem antes de elas serem contaminadas pela nossa racionalidade. (CARMO, 2012).
(Trecho extraído do livro Psicologia da educação de Elis Bertozzi Aita)

Dai eu viajo na maionese vendo o quão certo foi a escolha do nome para este espaço virtual ahahah
Até a próxima pessoal!

sexta-feira, 28 de abril de 2017

Falsa alegria nas mídias sociais



Reflexão do dia: Para você, amigo(a) que ainda está em negação de si mesmo, olhe para dentro. Procure o gatilho que fez com que você se escondesse atrás de falsas postagens alegres, de frases "wannabes", fotografias de sorriso apenas para uma plateia que não liga a mínima para essas coisas triviais. Olhe para dentro, e não para fora, pro outro, aquele que também tem a sua vida (falsa ou não). Você, olhe para você, para o seu interior, e faça a pergunta: qual é o meu problema? É realmente necessário usar tanta máscara de carnaval apenas para mostrar ao outro que você está "bem"? Enganar a si próprio surte algum efeito "curatório"? Se sua vida está uma miséria, apenas olhe para ela e dialogue. Entrem num consenso. Eventualmente, nesse mundo de falso diário virtual, ninguém precisa saber, exceto se você se sentir bem em pedir ajuda. Hey, para de fingir que está tudo bem. "Está tudo bem não estar bem". Entendeu? Não viva se sabotando. Seja real. Se ajude. (GABRIELLA GILMORE) Sobre a vida "maravilhosa" das mídias sociais, onde tudo é "lindo e gostoso". Mas quem se importa?

quarta-feira, 19 de abril de 2017

Pedagogia Progressista e outras coisas...



Sabe o que eu penso sobre Pedagogia Progressista e Paradigma Emergente? Um truque de mestre, para que dentro de sala de aula os professores não tenham mais autoridade. Pensa comigo. Com o ensino “Tradicional”, os seus pais e avós batiam em professores naquela época? “Ah, mas as crianças respeitavam porque tinham medo”. Medo de que? De ficar de castigo? Francamente. Antigamente existiam boas maneiras, cidadãos que realmente queriam ser alguém na sociedade para transforma-la em algo brilhante. Já com essas novas práticas educacionais, onde iguala o professor ao aluno, o único resultado seria este que estamos presenciando. Alunos batendo em professor, alunos gritando em sala, alunos “endiabrados”. “AH, mas ele vem assim de casa”. É, eu bem sei, mas se os alunos hoje saem de casa sabendo que vão chegar na escola para continuar a sua guerra pessoal porque o professor é apenas mais um, igual a ele, não acho que sairão da escola como transformadores, e sim como repetidores: repetindo a violência que veem lá fora. Então, estamos ai aplaudindo a “revolução” Freiriana, que jura ter sido criada com boas ações, onde o diálogo seria o maior ensino... Aham, sei. Hoje vemos meninos e meninas preguiçosos, sem sonhos porque aprenderam a não sonhar mais. Meninos e meninas que se automutilam, que fraquejam por qualquer coisa, porque estão aprendendo a serem vítimas do seu meio. Isso é ser uma presa fácil. Exatamente o que eles querem. Assim, os valores e a educação continuarão sendo invertidos, para nos iludir de forma que pensemos ser bom o falso diálogo, onde na verdade as faculdades estão formando professores com tendências revolucionárias, para ensinar os futuros militantes a alimentar o poderoso governo, que é o único beneficiário desse teatro todo. Pense nisso!

sábado, 15 de abril de 2017

Socialismo e Winston Churchill


Pesado este pensamento né?
E ai, o que você pensa sobre esta questão?
Como falei em um dos posts anterior, eu sou bem ignorante sobre esta questão Política. Preciso urgente começar a me a ter dos fatos.
Sempre que falam sobre o socialismo, logo me me em mente o comunismo.
Estariam as duas coisas andando juntas?
Hey, estou perguntando porque eu realmente não pesquisei hoje para meter o bedelho sobre isso. Na verdade, isso vai ser o gatilho para eu começar a pesquisar sobre.
Se o comunismo é essa coisa igualitária e linda como muitos pensam, por que os grandões dessa política viviam em mansões e o seu povo viviam no pão com mortadela? Sabe, lá em Cuba, por exemplo. Que justiça é essa?
Isso me fez lembrar um pouco do Absolutismo. Sei que não tem nada a ver, mas o soberano lá, confortável em seu castelo/mansão, iludindo a massa de que estão lutando por uma igualdade para todos.
Isso me faz rir. ALOKA!
Hey, me ajuda a organizar essas ideias.
Beijos!

quinta-feira, 13 de abril de 2017

Precisamos falar sobre "O paradigma Educacional Emergente".



Por Gabriella Gilmore

Lendo o artigo “O PARADIGMA EDUCACIONAL EMERGENTE” de Maria Cândida Moraes, me fez questionar sobre esse novo paradigma pedagógico que implica o ato de pensar, de construir suas ideias e forma de aprendizado, tirando um pouco o papel “autoritário” e dono do saber (o professor), e passa a deixar esta responsabilidade para o aprendiz. Houve trechos onde a autora diz: “É necessário levar o indivíduo a aprender a aprender, traduzido pela capacidade de refletir, analisar e tomar consciência do que sabe, dispor-se a mudar os próprios conceitos, buscar novas informações, substituir velhas “verdades” por teorias transitórias.” O que será que ela quis dizer? Que não existem mais “verdades”? Uma árvore hoje é verdadeiramente uma árvore, será que amanhã essa verdade se tornaria outra? Isso nos faz pensar um pouco sobre a inversão de valores. O que vocês pensam sobre isso? Como será a sociedade “sem freios”, sem “verdades”, sem um “norte” daqui algumas décadas? Como inspirar alunos sem ter uma direção? Afinal, não existe mais “um caminho”, existem vários. Houve momentos também em que ela cita: “É um novo modelo de escola que derruba as suas paredes, que salta além de seus muros, revelando um aprendizado sem fronteiras, sem limites de idade e pré-requisitos burocráticos.” Ok, essa ideologia é parece fantástica, mas como você ensinaria em uma classe de alunos com diversas idades, maturidade, experiências? Normalmente o aluno avançado, fica inquieto ao ter de esperar o colega que ainda está alcançando o conhecimento. É como se fosse desmotivar o aluno que já está à frente. Seja pela idade, pela oportunidade. Mas seria sábio uma escola matar alunos com potenciais adiantados, para igualar a educação em uma só? Eis ai um dilema a se pensar, por que se esta for a nova agenda escolar, talvez muitos gênios serão abortados bem no meio do caminho.

quarta-feira, 12 de abril de 2017

Qual é o propósito da natureza?



Reflexão do dia.

“O propósito da natureza não é que a morte acabe com a vida, mas que a vida triunfe sobre a morte a fim de fazer dos entes vivos seres imortais”. (Em A arte de triunfar na vida)

Já plantou a sua árvore hoje?

segunda-feira, 10 de abril de 2017

Gosto nosso ou a seu gosto?



Reflexão do dia.

“Os nossos gostos estão submetidos a muitas pressões psicológicas e raramente tomamos em consideração se esse gosto é nosso ou se é uma ordem manipulada que vem de fora”.

(Délia Guzmán)

Você gosta de leite porque é gostoso, ou porque você foi ensinado tomá-lo para sempre?
Não repara o exemplo chulo. Nada contra quem toma leite de vaca sendo ser humano, se comem carne, ou se tomam whisky no café da manhã. Usei um exemplo fácil para refletirmos o quanto somos condicionados a fazer diversas coisas por sermos manipulados externamente.
Você é o que é, ou te fizeram ser assim?
Pense nisso.

quarta-feira, 5 de abril de 2017

Trabalho, trabalho, não vivo.




Reflexão do dia.

É necessário mesmo trabalhar tanto para apenas acumular dinheiro sem ter tempo e vida para gastá-lo?

“Então, Lucílio, podes crer que terá a satisfação de ver como matas a fome com dois ases, de compreender que, para viver em segurança, não precisamos da fortuna para nada. Mesmo quando hostil, a fortuna não nos nega o que é estritamente necessário. Procedendo assim, de resto, não há razão para pensares que fazes uma grande coisa (fazes apenas o mesmo que muitos milhares de escravos, que muitos milhares de pobres)”. (Ep. Mor. 18, 07 – Sêneca)

segunda-feira, 3 de abril de 2017

Este assunto é para mim. (Política)


Confesso, eu confesso. Este post de hoje é para mim.
Confesso que sempre detestei a política. E detestava por vê-la sendo praticada numa forma desonesta, miserável, sacana. Mas eu tenho visto que fechar os olhos não vai fazer essa mentira sumir.
Eu tenho vergonha de dizer que sou analfabeta política, mas não quero ser mais.

sexta-feira, 31 de março de 2017

Seu trabalho te deixa emocionalmente realizado?

photo extraída no google.

Reflexão do dia.

Sêneca afirmava: “O trabalho não é um bem em si mesmo. Por isso eu censuro toda a atividade vazia de sentido”. (Ep. Mor. 31, 04)

Resumindo: vale a pena você trabalhar em algum lugar onde você não sinta prazer e sentido de realização emocional?
Pense nisso.

sábado, 18 de março de 2017

Jesus é ou não Deus?



Por Paul Washer.

Uma vez C.S. Lewis disse uma coisa: Você tem três opções em relação a pessoa de Jesus e é só isso.
Primeira, Ele foi o maior de todos os mentirosos porque Ele disse que era o filho de Deus, e Ele “sabia” que não era. Então Ele “enganou” a maior parte da humanidade no decorrer da história. Você está disposto a dizer isso? Se você estiver, pelo menos tem alguma integridade intelectual da tua parte, mas eu digo para você, Ele não viveu, nem ensinou como um mentiroso.

Sua segunda opção: Ele era louco. Um lunático. Porque qualquer pessoa que acredita que ser o  filho de Deus e não é filho de Deus, não importa a sinceridade dele, essa pessoa é lunática. Eu entendo esse tipo de lógica, isso não se sustenta no mundo pós-moderno. Para você a pessoa pode acreditar no que bem quiser e está tudo bem. Não importa a sinceridade de alguém, mas se ele está errado, ele está errado. E Jesus era um “lunático” e não devia ser seguido. E aquelas que o seguem estão fora de si também. As pessoas sentem pena de gente assim. Você está preparado para dizer que Ele era um lunático? Talvez você pode tentar o seguinte dizendo: Ah eu não acho que Ele era um mentiroso e eu não creio que Ele era um lunático, eu só creio que a Bíblia foi “mudada”, então traga agora o seu papiro. Traga os seus textos. Mostra a evidência de que a Bíblia foi mudada. Vamos olhar para a história. Vamos olhar para as descobertas de Kunan. Vamos comparar com a República de Platão e as evidências textuais daquele livro. Dai você confirmaria que “foi assim mesmo que Platão escreveu”, mas nem tem evidência textual comparada com as evidências textuais da Palavra de Cristo. As palavras não foram mudadas. Os manuscritos passaram de mãos em mãos, de geração em geração sim, e eles são completos. Ele disse que era o filho de Deus. Então Ele era um mentiroso, lunático ou o Senhor? (A terceira opção).Ninguém afetou a história como Ele afetou. Ninguém fez as alegações que Ele fez. Ninguém nunca fez as coisas que Ele fez. Você pode dizer: eu não tenho certeza que existe um Deus, mas você não investiga a verdade mais importante para a existência da humanidade! Então para que serve tudo isso? Nascer, ser educado, trabalhar, aposentar, morrer?

Assista ao vídeo completo. Muito bom.

quinta-feira, 16 de março de 2017

Encontrei um grande amor!



Para minha amiga Cindy.

Uma vez eu me peguei refletindo sobre aquela dor na alma, o tal vazio existencial.
Eu sentia tanto isso quando não sabia o que era realmente Deus e viver em Deus!
Sabe aquele sentimento de solidão no meio de tanta gente legal, música legal, comida legal, mas o maldito buraco na alma nada existia?
É um negócio basicamente sem nome esse trem.
Como eu acredito que Deus criou a nossa alma, e logicamente Ele seria o único a saciá-la.
Eu escutava isso das pessoas que viviam em Deus... “Só Ele cura, só Ele liberta, só Ele preenche a alma”. Hoje eu sei exatamente o que isso significa.
Esses dias eu estava puxando na mente como era sentir aquele vazio. Já faz quase 4 anos que não sei o que é isso. E esse sentimento que inunda o meu ser, vem acompanhado da sensação de liberdade. Somos livres em Cristo porque Ele nos libertou com seu sangue. Aquele papo de “pagou um alto preço”. Rapaz, o pecado nos escraviza num tanto, que só do lado de cá que eu consigo ver. É nego escravo da gula, da luxúria, da avareza, da ira, os sete pecados capitais que tu já sabe né? E ainda acrescento a desobediência, o male de todas as coisas. Ahh se eu pudesse voltar no tempo, daria uns tapas em Eva... por querer ser sabichona demais. Deus avisou, “Pode usufruir de tudo aqui neam, mas nada de querer saber das parte ruim da vida. Confia que tudo vai dar certo”. Mas não, a sonsa quis saber como seria o mal. Se lascou. Aliás, a gente se lascou né? (O que você faz com seu filho teimoso?) kkkkkkkkk Só reflita tá?
Houve um momento na história que Deus ficou tão chateado com a humanidade, com esses seres que Ele criou a sua “imagem e semelhança”, mas que fizeram a questão de avacalhar toda a perfeita criação com seus maus hábitos, rabiscos, vícios, prostituição, autoflagelamento, etc etc.. que a gente está perdendo essa “imagem”. A gente está LONGE agora de ser a imagem e semelhança Dele. Longe! E Deus ficando chateado conosco, ficou aproximadamente 400 anos sem falar com o povo. (É o tal período interbíblico, pesquisa ai.)Você sabia né? Que Ele falava com Adão, Abrahão, Moisés, Jó, assim, no carão! Falava mesmo.  Dai Ele deixou de falar de pirraça. Sabe quando o pai fica tão decepcionado com o filho rebelde que dá um gelo pra vê se o filho toma tento? Foi mais ou menos isso que o silêncio de Deus quis dizer.
O homem, com essa NECESSITADE latente de confortar sua alma, porque a nossa alma tem sede né? Sim, sede daquilo que a criou. Dai o homem inteligente criou a filosofia. E pensando aqui e ali, tentando achar respostas pras indagações internas, (De onde vim, o que sou, pra onde vou?) o homem acabou inventando respostas, e criando seus deuses. “Hoje vou criar um deus do meu jeito. Que concorde com tudo que faço e que não vai me encher o saco”. Dai surgiu esses tantos de deuses pagãos que temos por ai. Doidera viu? Mas é o homem, procurando o que já foi achado há milênios... Oh céus!!
Acho que o nosso Deus pirou lá de cima, vendo tanta maluquice feita por sua criatura.
Sabe como é né? Somos criaturas. A gente passa a ser seu filho quando O aceitamos como pai, e assim a gente precisa aceitar suas regras né? Todo filho vive debaixo de regras dos pais, né não? Então é basicamente isso, a vida do servo de Deus... vive debaixo de suas asas e de suas regras. A gente quando ora fervorosamente com Deus na calada da noite, a gente solta uns berro sabe? “Pai, mas por que o Senhor está deixando isso acontecer comigo? Massss por que Paaai? Sou tão fofinha!?” Dai Deus ri de mim lá de cima, e me perdoa. Então minha alma fica numa alegria e tão leve... sou capaz de voar. Ah, mas sou!
Voltando ao assunto. Deus ficou bravo, chateado conosco, ficou em silêncio (A VOZ DO SILÊNCIO – Helena Blavatsky kkkkk) mas quando viu que o trem tava feio, ele disse: Vou ter que descer e visitar o povo dessa vez como homem. Pra ensinar esses teimosos que é possível ter uma vida santificada, que é possível transcender a dor, que é possível perdoar aquele que nos fere, que é possível jejuar algumas horas, que as orações são respondidas, e um tantão de coisas mais... que é exatamente esse o motivo de Jesus, (Deus encarnado) ter pisado na terra como homem para nos deixar inúmeras lições. Dai Paulo ainda afirma dizendo: Posso tudo naquele que me fortalece. (Fl 4:13)
Dai a gente vira e fala: AH mas é impossível!!! É pesado. Crente é tudo chato, tem cabeça fechada, se arruma mal, é pobre, é ladrão, é careta, lalalalala Misericórdia! Depois leia meu texto chamado (Uma moral sendo deturpada), acho que é esse nome ahahaha Que fala a diferença do crente daquele que serve a Deus.
Só sei que hoje o meu papel é de orar e cuidar da minha salvação. E você toma tento e trate de cuidar da sua alma também hein? Como anda ela afinal?
Uma vez que a gente entende que estamos aqui literalmente de passagem, e que uma Nova Jerusalém está preparada para receber aqueles que ouviram o chamado, “Porque para mim o viver é Cristo, e o morrer é lucro” Paulo de novo em Filipenses 1:21. (oww, esse homem é a prova viva de vida transformada. NOOOOH! Um dia procura a biografia dele, um carão!!), a gente só quer louvar e servir a Deus. É muita gratidão pra pouco tempo sabe!
“Encontrei um grande amor, amor que sara a dor, que cura as feridas, e traz sentido a vida...”
Sem isso, que sentido é nascer, viver e morrer? Eu acho muito sem graça.

Enfim, obrigada pelo papo reto de hoje. Que o meu Deus, o Deus de Israel possa suprir todas as suas dúvidas, suas necessidades, porque o nosso Deus vence batalhas, seja ela qual for.

Graça e Paz, Gabi.

quarta-feira, 15 de março de 2017

ABORTO: guerra ou paz?



Teresa de Calcutá sobre o ABORTO. (Vamos pensar um pouco)

“Sinto que o grande destruidor da paz hoje é o aborto, porque Jesus disse: ‘Se você receber uma criança, a mim a recebe’. Todo aborto é então uma recusa de receber Jesus, a negligência em recebe-lo.
O aborto é na verdade uma guerra contra a criança; e odeio a morte de uma criança inocente, um crime cometido pela própria mãe. Se aceitarmos que a mãe pode matar seu próprio filho, como podemos dizer às pessoas que não se matem umas às outras? (BOA PERGUNTA) Como persuadir uma mulher a não fazer aborto? Como sempre, devemos persuadi-la com amor.
(...) Qualquer país que aceite o aborto não está ensinando o seu povo a amar uns aos outros, mas a usar violência para obter o que desejam. Por essa razão, o maior destruidor do amor e da paz é o aborto.”

Isso aqui é um tema para um longo debate.
Sabemos que a mãe tem o direito de fazer o que quiser com o seu corpo, mas e a criança indefesa em seu ventre? Que direito ela tem?

Sabemos também que existem muitas crianças à deriva por causa de serem frutos de estupros. Mas alguém já pensou em gerar o bebê e deixá-lo para adoção? Não seria uma forma mais justa de dar a criança uma chance de vida, e de pais e mães que não podem gerar, terem o seu próprio filho?

Muito além de ser um discurso religioso, Teresa de Calcutá foi atrás dos Direitos Humanos. E aonde eles se posicionam quanto a isso?
Cadê os Direitos Humanos para defender esses bebêzinhos que não podem se quer se manifestar?
Cadê os Direitos Humanos?
Ajudam assassinos, ajudam pilantras, ajudam tanto criminoso molestar a sociedade, mas cadê os "Direitos Humanos" quando um inocentes precisa de ajuda?
CADÊ???
O que os Direitos Humanos realmente querem?
Guerra ou paz?